ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumadense suspeito de tentativa de homicídio tem prisão preventiva decretada; ele também poderá responder por falsidade ideológica

Um Coração saudável é um coração feliz, 14 de Agosto dia do Cardiologista

Mistério: Pró-reitor do Ifba é encontrado morto dentro de seu apartamento

Farejador: Durante viagem, policial sente cheiro suspeito e apreende 13 kg de maconha

São Paulo: Jovem leva facadas no rosto e se finge de morta para escapar de namorado, que se suicidou

RotSat: Contrate o rastreamento de seu veículo ou de sua frota onde você tem confiança e qualidade

Rosa Weber assume presidência do TSE nesta terça

Guajeru: Polícia frustra tentativa de feminicídio; 5 armas foram apreendidas

Asfaltamento de estrada entre Itambé e o Tomba/Ribeirão do Largo deve começar dentro de 30 dias

Clidemar Amorim declara apoio a Luciano Ribeiro

Brumado: Congresso das Testemunhas de Jeová reuniu centenas de pessoas da microrregião

Sua moeda de 1 real comemorativa, pode valer ate 700 reais, fique ligado e saiba os valores

Brumado: Feminicídios são considerados como casos esporádicos pela Polícia Civil

Caetiteense que passa por tratamento quimioterápico em Salvador, tem sonho realizado por policiais militares em seu aniversário

‘A galinha da macumba incomoda muito mais do que milhares de jovens negros mortos’, afirma Doutor em Direito Hédio da Silva Jr.

Brumado: Começam os exames feitos por meio da ‘Carreta Mamamóvel’

Caetité: Presidentes de empresas chinesas avaliam obras da Ferrovia Oeste-Leste e exploração de mina de ferro

Projeto quer agilizar medidas protetivas para vítimas de violência

Brumado: Volta à cena o risco de se contrair raiva por meio do consumo de carne e leite clandestinos

Jaques Wagner receberá R$ 1,3 milhão do PT para campanha ao Senado


Brumado: Usuários voltam a reclamar do atendimento no HMPMN; 'até polícia estão chamando', afirma mãe de paciente

O HMPMN tem novas reclamações referentes ao atendimento (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)

Apesar dos grandes avanços que vêm sendo desenvolvidos no setor de saúde pública, um ponto, que é considerado "nevrálgico", é o atendimento no HMPMN - Hospital Municipal Professor Magalhães Neto. Após o caso de pacientes serem deixados na mesa de operação por um falso comunicado, novas reclamações chegaram à redação do 97NEWS. A primeira delas é da vendedora Cislene Rodrigues Ramos (44), que foi levar, na noite do último sábado (02) a sua filha Mirlane Estefane, a qual estava apresentando um quadro preocupante, com pressão elevado, formigamento nos braços e no rosto e dores no peito. "Eu cheguei aflita e logo fui fazer a ficha e a atendente disse que era para eu ir para a triagem. Como minha filha estava pior, eu entrei logo na sala e pedi pelo amor de Deus para que o atendimento fosse rápido, pois pensei mesmo que era um princípio de infarto, foi aí que eu recebi uma ameaça de uma enfermeira chamada Vanessa, a qual disse que iria chamar a polícia para me levar", relatou. A vendedora continuou a sua narrativa dizendo que "quando eu menos esperei, não foi que a polícia chegou e me levou para a delegacia, só que a enfermeira foi também na mesma viatura e, chegando lá, o delegado logo me liberou, pois compreendeu a minha situação. Acredito que o prefeito e o secretário não tenham conhecimento desses fatos". E finalizou de forma emotiva declarando que "eu fui buscar atendimento para a minha filha e acabei sendo humilhada, pois nunca tinha entrado numa viatura. Sou uma mulher de bem e faço alerta para que outras pessoas não precisem passar pelo que eu passei". 

No período noturno o movimento também é grande (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)

O segundo caso aconteceu com a empresária Vanessa Alves de Brito (36), que levou a sua filha na madrugada desta terça-feira (05), já que a mesma estava com uma febre muito alta e não conseguiu atendimento. Ele relatou que "eu cheguei às 03h20m e fui informada que a enfermeira e os médicos estavam na parte de baixo, então, logo pedi ao guarda para que os chamassem, pois minha filha estava com uma febre muito alta, mas infelizmente, eu fiquei uma hora esperando e ninguém veio" e emendou dizendo que "acredito que isso não seja justo, pois pagamos impostos e precisamos de atendimento médico, ainda mais quando é madrugada, como era o meu caso". Entramos em contato com o secretário municipal de Saúde, Claudio Feres, o qual explicou que estava tratando de assuntos da sua pasta em Salvador, mas que pediu para que as denúncias fossem averiguadas e, caso se confirmassem, se abriria uma processo administrativo para que as devidas punições fossem executadas.

O pronto-socorro vem sendo o principal alvo das reclamações (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)


Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário