ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Moradores pedem sinalização em cruzamento perigoso no bairro São José

Ituaçuense de apenas 9 naos passa de fase no The Voice Kids e emociona jurados ao cantar 'Folha Seca' de Amado Batista

BA-263: Quatro morrem e 10 pessoas ficam feridas em acidente com van e ônibus entre Belo Campo e Vitória da Conquista

PodoClin: Dicas para pular o carnaval com unhas e pés bem cuidados

Pré-candidato a prefeito de Brumado, Fabrício Abrantes lança plano de governo

Rio de Contas: Caminhão carregado de lonas cai em ribanceira em curva da BA-148

Brumado: Uneb disponibilizará monitores para melhorar atendimento na pediatria do Hospital Municipal

Jovem acusa ter sido agredido por homofobia após descer de ônibus em Conquista

Alunos envenenam professora em sala de aula

Jovem de 20 anos é encontrado morto dentro de casa em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Saúde em risco: 30 farmácias clandestinas são fechadas na Bahia

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A sua saúde pode estar correndo perigo. Cerca de 30 farmácias clandestinas, que operavam sem alvará da Vigilância Sanitária, certidão de regularidade do Conselho Regional de Farmácia do Estado da Bahia (CRF-BA) e farmacêutico responsável foram fechadas este ano na Bahia. De acordo com Mário Martinelli Júnior, presidente do CRF-BA, as drogarias clandestinas estão espalhadas por todo o estado, não há uma concentração maior em uma localidade específica baiana. Ele explica que existe uma diferença entre farmácia clandestina e irregular. A primeira opera sem passar pelos requisitos das legislações sanitárias e lei federais, comercializando os medicamentos sem alvará da Vigilância e um farmacêutico como responsável técnico. Já o estabelecimento irregular perante o Conselho “é aquele que contrata um farmacêutico, dá entrada no alvará, depois demite o farmacêutico e não contrata mais, porém, continua funcionando. Então ela só tem o alvará no início, porque o farmacêutico quando é demitido ele tem por obrigação recolher o alvará e entregar na vigilância sanitária”, explica Martinelli, acrescentando que só o profissional graduado em Farmácia pode solicitar as permissões de funcionamento das drogarias junto à Vigilância Sanitária e CRF de cada estado. Conforme Mário Martinelli Júnior, havia uma grande quantidade de farmácias clandestinas na Bahia, mas devido às fiscalizações o número foi reduzido. Contudo, o presidente esclarece que esse número de estabelecimentos operando com irregularidades pode ser transitório, já que no período entre a demissão de um farmacêutico e a contratação de outro, o sistema do CRF-BA automaticamente enquadra a farmácia como irregular, pois está sem o profissional, que deu baixa nas licenças no Conselho e na Vigilância. 

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário