ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Conquista: Manifestantes lotam frente do Fórum da cidade e pedem justiça pela morte do estudante e motorista de aplicativo

Brumado: Superintendente de Trânsito desmente situação de 'bullying' na SMTT

Brumado: Moradores da Vila Presidente Vargas denunciam envenenamento de gatos

Brumado: Bandidos entram em residência e levam R$ 2 mil em joias no bairro Ginásio Industrial

Jovem morre em acidente de moto na zona rural de Aracatu

Carga com mais de 3 toneladas de maconha é apreendida pela PRF na BR-116

Brumado: Após tentar disparar contra PM, suspeito acaba sendo alvejado próximo à Prefeitura

Incêndio florestal em Rio de Contas é controlado por bombeiros

Novembro Azul: Pax Nacional apoia esta ideia

Acusados pela morte do estudante de odontologia e motorista de aplicativo são presos em Vitória da Conquista

RotSat: Rastreamento veicular com qualidade, eficiência e segurança

Família procura por aracatuense, desaparecido há 7 dias

Grave acidente entre os municípios de Tanhaçu e Ituaçu deixa uma vítima fatal na BA-142

PodoClin, Podologia Avançada em Brumado

Brumado: Conseg apresenta projetos em combate a violência contra a mulher

Tremor de terra assusta moradores de cidades do interior do Estado

Inep proíbe o uso de celular a aplicadores do Enem

Mãe é presa suspeita de jogar água quente na filha de 16 anos durante briga

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Lula agradece militância e ataca Lava Jato em 1° discurso após prisão


Projeto de regulamentação do Uber é alterado e volta para a Câmara

Marcos Oliveira/Agência Senado

O Plenário do Senado aprovou com alterações, nesta terça-feira (31), o projeto (PLC 28/2017) para regulamentar os serviços de transporte que usam aplicativos, como Uber, Cabify e 99. Foram 46 votos favoráveis, 10 contrários e uma abstenção. O relator de Plenário, senador Eduardo Lopes (PRB-RJ), acatou três das 20 emendas apresentadas e o texto volta para análise da Câmara dos Deputados. Duas das mudanças aprovadas foram decididas por acordo dos líderes partidários. Elas retiram a obrigatoriedade do uso de placas vermelhas e a exigência de que o condutor seja proprietário do veículo. Também foi aprovada emenda que atribui ao município apenas a competência para fiscalizar o serviço dos aplicativos. A prefeitura não terá o papel de autorizar o exercício da atividade como estava previsto no texto original da Câmara. — O aplicativo será obrigado a mandar para a prefeitura a sua base de dados, o seu cadastro. A prefeitura vai ter acesso a quantos são os motoristas do Uber, onde estão e quem são. Se houver alguma dúvida do poder público em relação a algum ponto, ele entra em contato com o Uber e decide se a pessoa sai do serviço ou continua — explicou o relator. Com essa alteração, caiu o ponto principal do PLC 28/2017, do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que estabelecia que empresas como o Uber são prestadoras de serviço público, dependentes de regulamentação, e que os motoristas precisariam de permissão para trabalhar.  Pelo texto, cada município (e o governo do Distrito Federal) cobrariam os devidos impostos. O texto ainda prevê que os motoristas devem possuir Carteira Nacional de Habilitação na categoria B (automóvel, caminhonete, utilitário) ou superior; inscrição como contribuinte individual no INSS; e contratação de seguros de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT). A favor do projeto da Câmara, os senadores do PT Lindbergh Farias (RJ), Gleisi Hoffmann (PR) e Humberto Costa (PE) declararam que o partido não quer a extinção do Uber. No entanto, eles defenderam a regulamentação do serviço para proteção dos direitos dos trabalhadores e dos usuários. Eles ainda criticaram a empresa pelo valor percentual cobrado dos motoristas. — Não pode o Uber entrar aqui e achar que pode levar 25% do trabalhador, até porque o motorista é responsável pela manutenção do carro, pelo seguro, pela gasolina. Não tem direito trabalhista, não paga INSS, não vai ter direito à previdência e ainda tem que pagar 25% para usar uma plataforma? — questionou Gleisi Hoffmann. Contra o PLC 28, os senadores Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Reguffe (sem partido–DF) entendem que a proposta é uma forma de estatizar o serviço dos aplicativos e interfere na livre escolha dos usuários, podendo reduzir a oferta, causar desemprego e restringir o uso do transporte pelo aplicativo. — O PLC tem viés intervencionista em atividade privada. Não estamos tratando de concessão pública, não devemos ultrapassar o limite do bom senso. Não afastemos a capacidade empreendedora e a liberdade das pessoas decidirem



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário