ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Milagre: Menino sobrevive a espeto atravessado no coração em Pernambuco

Waldenor participa de atos em defesa de Lula direto de Porto Alegre

Brumado: Vans particulares que realizam transporte na cidade estão na mira do SMTT

Brumado: Implantação de caixa eletrônico no Mercado Municipal deverá ser acompanhado de reforço na segurança

Em 2018 a promoção continua: RotSat rastreamento com Inteligência

Surto de vômito e diarreia preocupa moradores de Livramento de Nossa Senhora

Brumado: Assaltante morre em confronto com a Polícia

4.370 jovens entram no mercado de trabalho através do Programa Primeiro Emprego em um ano

Brumado: Iniciada a vistoria dos veículos que atuam no Transporte Escolar do município

Caculé: oposição e deputados buscam ampliação da oferta de água para a cidade

Sertanejo de Raiz: Dupla Nadim e Beira-Rio participa de programa na 97FM

Globocop cai na orla da Zona Sul do Recife e deixa dois mortos

Conquista: Em protesto a favor de Lula, integrantes do MST fecham a BR-116; idoso falece durante a manifestação

Sorteio Eletrônico para o ano letivo de 2018 na Rede Municipal de Ensino acontece em clima de tranquilidade

Sorteio eletrônico das vagas para o ano letivo de 2018 terá somente a participação do MP, educadores, conselhos e imprensa; secretária explica os motivos

Inscrições para o Sisu começam nesta terça-feira (23)

Engenheiro civil de Mucugê sofre acidente de carro entre os municípios de Brumado e Sussuarana

Vitória negocia retorno do zagueiro Victor Ramos

Começou a matrícula de estudantes do Ensino Médio que desejam ingressar na rede estadual

Adolescência agora vai até os 24 anos de idade, e não só até os 19, defendem cientistas


Kriptacoin: Cuidado com essa moeda virtual falsa

(Imagem: Reprodução)

Dois carros de luxo – uma Ferrari avaliada em R$ 1,2 milhão e um Porsche avaliado em R$ 700 mil – foram apreendidos por policiais civis do Distrito Federal que investigam um esquema de pirâmide financeira envolvendo uma falsa moeda virtual, batizada de Kriptacoin. Desde o dia 21 de setembro, quando a corporação desarticulou a organização criminosa, 11 detidas foram presas. Uma delas conseguiu converter a prisão preventiva em domiciliar nesta sexta (29).O Ministério Público denunciou à Justiça, nesta quinta-feira (28), 16 pessoas suspeitas de vender a moeda falsa no DF e em Goiânia. Além dos 11 presos e 2 foragidos que já tinham sido indiciados pela Polícia Civil, outras três pessoas foram denunciadas pela Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos do Consumidor. Entre eles estão dois ex-advogados da empresa, que negam envolvimento. Dos 16, 13 pessoas vão responder pelos crimes de organização criminosa, falsificação de documentos e criação de pirâmide financeira. Outros três suspeitos foram denunciados por obstrução de Justiça e lavagem de dinheiro. Policiais apuraram que o esquema movimentou R$ 250 milhões a partir de investimentos de cerca de 40 mil vítimas na moeda. A operação foi batizada de Patrik. Além da Wall Street Corporate, que gerenciava o negócio, duas empresas também foram alvo da operação. De acordo com as investigações, o esquema começou a ser articulado no final do ano passado e se consolidou no DF em janeiro de 2017. Os integrantes da organização se passavam por executivos e prometiam altos rendimentos com o negócio, com ganho de 1% ao dia sobre uma moeda virtual falsa – o resgate do saldo só poderia ser feito após um ano. Para dar um ar de legalidade, eles marcavam reuniões, faziam anúncios em outdoors e propagandas, tanto na internet quanto na televisão, além de tirar fotos com cantores famosos. Quanto mais investidores fossem recrutados para participar do negócio, a promessa de ganhos aumentava, com bônus de 10% por pessoa cooptada. Assim, o lucro crescia proporcionalmente à quantidade de aplicações feitas na cadeia, mas era tudo um golpe. Segundo a polícia, uma das vítimas disse que aplicou quase R$ 200 mil sem retorno e, ao tentar resgatar os valores aplicados, foi ameaçada pelos "executivos" da falsa empresa. As apurações também revelaram que o esquema funcionava com divisão de tarefas e que contava com falsificadores de documentos. Além disso, as três empresas que vendiam o serviço, alvo da operação, estão em nomes de "laranjas", cujo o patrimônio declarado não condiz com as movimentações financeiras. A polícia descobriu, ainda, uma lista com cerca de 20 nomes falsos que eram utilizados pela quadrilha. As aplicações eram feitas pela internet por meio de uma plataforma digital, mas os depósitos eram feitos em contas correntes.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário