ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Milagre: Menino sobrevive a espeto atravessado no coração em Pernambuco

Waldenor participa de atos em defesa de Lula direto de Porto Alegre

Brumado: Vans particulares que realizam transporte na cidade estão na mira do SMTT

Brumado: Implantação de caixa eletrônico no Mercado Municipal deverá ser acompanhado de reforço na segurança

Em 2018 a promoção continua: RotSat rastreamento com Inteligência

Surto de vômito e diarreia preocupa moradores de Livramento de Nossa Senhora

Brumado: Assaltante morre em confronto com a Polícia

4.370 jovens entram no mercado de trabalho através do Programa Primeiro Emprego em um ano

Brumado: Iniciada a vistoria dos veículos que atuam no Transporte Escolar do município

Caculé: oposição e deputados buscam ampliação da oferta de água para a cidade

Sertanejo de Raiz: Dupla Nadim e Beira-Rio participa de programa na 97FM

Globocop cai na orla da Zona Sul do Recife e deixa dois mortos

Conquista: Em protesto a favor de Lula, integrantes do MST fecham a BR-116; idoso falece durante a manifestação

Sorteio Eletrônico para o ano letivo de 2018 na Rede Municipal de Ensino acontece em clima de tranquilidade

Sorteio eletrônico das vagas para o ano letivo de 2018 terá somente a participação do MP, educadores, conselhos e imprensa; secretária explica os motivos

Inscrições para o Sisu começam nesta terça-feira (23)

Engenheiro civil de Mucugê sofre acidente de carro entre os municípios de Brumado e Sussuarana

Vitória negocia retorno do zagueiro Victor Ramos

Começou a matrícula de estudantes do Ensino Médio que desejam ingressar na rede estadual

Adolescência agora vai até os 24 anos de idade, e não só até os 19, defendem cientistas


Empresa de Café é condenada por obrigar vendedor a cantar o Hino Nacional quando chegava atrasado

(Foto: Reprodução)

A Café Três Corações S.A. terá de indenizar um vendedor obrigado a cantar o Hino Nacional perante os colegas quando chegava atrasado ao trabalho. A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da empresa contra decisão que reconheceu o dano moral na submissão do empregado a tratamento vexatório, ao impor-lhe uma atividade alheia àquelas para as quais foi admitido e sequer relevante para sua função. O auxiliar de vendedor considerava humilhante cantar o hino em frente aos colegas, e disse que era motivo de chacota quando errava a letra. O Tribunal Regional do Trabalho, com base na prova oral, confirmou a sua versão dos fatos. Uma das testemunhas o viu cantar o hino junto com outro colega, também atrasado, e outra afirmou de que a prática, já suspensa, foi instituída por um supervisor e admirador do hino, que escolhia os mais atrasados ou com menor desempenho para “puxar” o canto. Citando casos semelhantes envolvendo a mesma empresa, o TRT entendeu que não se tratava da exaltação de um símbolo nacional, mas da “utilização de um suposto respeito cívico apenas para punir os empregados”. Concluindo pela ilicitude do ato, o Regional deferiu indenização de R$ 3 mil. No recurso ao TST, a Três Corações argumentou que cantar o hino nacional “não pode ser considerado como circunstância de trabalho degradante”. Mas para o relator, ministro Brito Pereira, a exposição do trabalhador a situação degradante, obrigando a praticar uma atividade alheia à que desempenhava, configurou assédio moral. A decisão foi unânime no sentido de não conhecer do recurso de revista



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário