ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Bahia acumula prejuízo de R$ 8,3 bilhões por conta da seca

Diocese de Caetité promoverá seminário com a temática 'Fake News e Jornalismo da Paz'

Bandidos levam 15 cabeças de gado nelore de fazenda na divisa entre Brumado e Aracatu

Brumado: Associação de Moradores do Bairro São José realiza festa em alusão ao Dia das Crianças

Sala do Empreendedor de Brumado será modelo para a implantação na cidade de Dom Basílio

Mesmo com derrota, Brumado se classifica para as oitavas de final do Intermunicipal 2018

Portaria redefine sessões do legislativo brumadense devido a feriados de novembro

Brumado: mulher é presa com substância análoga à cocaína em residência no Bairro Baraúnas

Colisão entre moto e ônibus causa a morte de jovem motociclista em Paramirim

Presidente do Legislativo de Brumado comemora as grandes conquistas para Samambaia e região

Fim da reeleição e união do pleito pode fazer com que mandatos de prefeitos e vereadores sejam prolongados até 2022

Homem natural de Caetité ganha R$ 500 mil na Tele Sena

Cão farejador ‘Zeus’ é o novo símbolo do combate ao tráfico em Brumado e região; em nova ação 2kg de substâncias possivelmente entorpecentes foram apreendidos

Brumado: Homem tenta agredir companheira, mas acaba levando uma facada; caso ocorreu no centro da cidade

Brumado: Previsão aponta semana com sol e algumas nuvens; não chove

Sistema de monitoramento impede arrombamento de residência no Bairro Monsenhor Fagundes

Quando devo procurar um Endocrinologista Pediatra?

Brumado: Polícia apreende homem por tráfico de drogas no bairro São Felix

Conquista: Três são presos em aeronave usada no transporte de drogas; pistola e R$ 7 mil são achados

Rui Costa critica fala do filho de Bolsonaro sobre STF: 'desqualificado'


Empresa de Café é condenada por obrigar vendedor a cantar o Hino Nacional quando chegava atrasado

(Foto: Reprodução)

A Café Três Corações S.A. terá de indenizar um vendedor obrigado a cantar o Hino Nacional perante os colegas quando chegava atrasado ao trabalho. A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da empresa contra decisão que reconheceu o dano moral na submissão do empregado a tratamento vexatório, ao impor-lhe uma atividade alheia àquelas para as quais foi admitido e sequer relevante para sua função. O auxiliar de vendedor considerava humilhante cantar o hino em frente aos colegas, e disse que era motivo de chacota quando errava a letra. O Tribunal Regional do Trabalho, com base na prova oral, confirmou a sua versão dos fatos. Uma das testemunhas o viu cantar o hino junto com outro colega, também atrasado, e outra afirmou de que a prática, já suspensa, foi instituída por um supervisor e admirador do hino, que escolhia os mais atrasados ou com menor desempenho para “puxar” o canto. Citando casos semelhantes envolvendo a mesma empresa, o TRT entendeu que não se tratava da exaltação de um símbolo nacional, mas da “utilização de um suposto respeito cívico apenas para punir os empregados”. Concluindo pela ilicitude do ato, o Regional deferiu indenização de R$ 3 mil. No recurso ao TST, a Três Corações argumentou que cantar o hino nacional “não pode ser considerado como circunstância de trabalho degradante”. Mas para o relator, ministro Brito Pereira, a exposição do trabalhador a situação degradante, obrigando a praticar uma atividade alheia à que desempenhava, configurou assédio moral. A decisão foi unânime no sentido de não conhecer do recurso de revista



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário