ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas será paga em agosto

Mãe de Taison é encontrada após sequestro em Pelotas

Política 2018: Rejeição de eleitor encarece campanha nas redes sociais

Brumado: Acontece no próximo sábado (21) a vacinação contra 'Raiva Animal' em Cães e Gatos

Tida como improvável, aliança entre Waldenor e Vitor Bonfim será oficializada nesta quinta-feira (19)

Norte de Minas: Engavetamento com 11 veículos deixa mortos e dezenas de feridos

Caetité: Feto é encontrado por catador dentro de uma caixa em lixão da cidade

Ituaçu: Unidade Móvel da Defensoria Pública atenderá aos moradores nos dias 23 e 24 de julho

Jovem advogado que era tido como desaparecido foi encontrado em UPA de Vitória da Conquista

Brumado: ‘Volte para casa, eu vou lhe aceitar do jeito que você é’, declara pai que procura pelo filho que está desaparecido

Brumado: Área da construção civil é uma das mais afetadas pelo desemprego

Brumado: O dilema dos buracos abertos pela Embasa continua irritando os motoristas

Justiça Eleitoral cassa o mandato de 3 vereadores de Seabra

BA-148: Caminhão carregado com congelados tomba e carga foi liberada para populares

Prefeito da Lapa relata ameaça de morte após fechar prostíbulo: ‘Pegaram faca para me matar’

Cirurgião geral na Clínica Master com Dr. Pedro Thiébaut

Jovem advogado desaparece após tomar ônibus para Vitória da Conquista

Congresso quer aumentar para R$ 38 mil salário de parlamentares

França bate a Croácia e é bi mundial em jogo com VAR, falha de goleiro e gol contra

Foragido da cadeia de Macaúbas é preso em Rio de Contas


Empresa de Café é condenada por obrigar vendedor a cantar o Hino Nacional quando chegava atrasado

(Foto: Reprodução)

A Café Três Corações S.A. terá de indenizar um vendedor obrigado a cantar o Hino Nacional perante os colegas quando chegava atrasado ao trabalho. A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso da empresa contra decisão que reconheceu o dano moral na submissão do empregado a tratamento vexatório, ao impor-lhe uma atividade alheia àquelas para as quais foi admitido e sequer relevante para sua função. O auxiliar de vendedor considerava humilhante cantar o hino em frente aos colegas, e disse que era motivo de chacota quando errava a letra. O Tribunal Regional do Trabalho, com base na prova oral, confirmou a sua versão dos fatos. Uma das testemunhas o viu cantar o hino junto com outro colega, também atrasado, e outra afirmou de que a prática, já suspensa, foi instituída por um supervisor e admirador do hino, que escolhia os mais atrasados ou com menor desempenho para “puxar” o canto. Citando casos semelhantes envolvendo a mesma empresa, o TRT entendeu que não se tratava da exaltação de um símbolo nacional, mas da “utilização de um suposto respeito cívico apenas para punir os empregados”. Concluindo pela ilicitude do ato, o Regional deferiu indenização de R$ 3 mil. No recurso ao TST, a Três Corações argumentou que cantar o hino nacional “não pode ser considerado como circunstância de trabalho degradante”. Mas para o relator, ministro Brito Pereira, a exposição do trabalhador a situação degradante, obrigando a praticar uma atividade alheia à que desempenhava, configurou assédio moral. A decisão foi unânime no sentido de não conhecer do recurso de revista



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário