ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Operação `Gatonet´ da PF combate comércio de receptores ilegais de TV por satélite

Brumado: Polícia Civil explica ação e prisão efetuada na Operação 'Sem Filtro'

'Nati Perigosa' é presa na Bahia horas após postar foto de arma em rede social

2ª Virada Educacional acontece nesta quinta (21) em todas as escolas da rede estadual de Brumado

Waldenor destaca reforma do Centro de Cultura no Plenário da Câmara

Pavimentação da Rua Umburanas continua sendo executada pela Prefeitura Municipal

Projeto de autoria do vereador Léo Vasconcelos propõe a criação dos distritos de Umburanas, Samambaia e Arrecife

Brumado: Acontece em outubro a 1º Seresta da Vila Presidente Vargas

Brumado: Tiro de Guerra 06/024 realiza palestra sobre a prevenção ao Suicídio

Em alusão ao Dia da Árvore CEEP ira realizar segunda etapa do projeto 'Verde que te quero verde'

Obras de canalização do Riacho do Bate Pé irão promover uma grande transformação urbana aos bairros São José e Santa Tereza

Vereador Elias Piau apresenta importante projeto para a área de saúde preventiva de Brumado

Cantor sertanejo Rafael é preso em operação contra falsificação de cigarros

Deputados e lideranças defendem melhorias para Tanhaçu

Brasil: Operação da Polícia Federal mira quadrilha que fraudou R$ 1 milhão em empréstimos na Caixa

Ginecologia e obstetrícia na Clínica Master com Dr. David Tanajura

Vereador Lek apresentou importante Projeto de Lei na última sessão do Legislativo de Brumado

ONG protetora de animais acusa prefeitura de confinar cães em local inadequado em Livramento de Nossa Senhora

Brumado: Vem ai a `3ª Festa Top´ na AABB com Os Clones

Amigos de Joab Paiva irão realizar grande show em prol do artista brumadense


‘Nada fora da Constituição’: Comandante do Exército afirma que papel das Forças Armadas é garantir a democracia

(Foto: Reprodução)

O comandante do Exército, general de Exército Eduardo Villas Bôas, diz que não há caminho a não ser o respeito à Constituição para que se resolva a crise política do País. “Nada fora da Constituição. As instituições é que vão ter de buscar essa saída.” Sentado em um sofá em seu gabinete no quartel-general do Exército, em Brasília, tendo à frente um grande quadro do Duque de Caxias, do coronel pintor Estigarribia, o general recebeu este repórter e falou do papel das Forças Armadas no atual momento, da preocupação com a falta de líderes e da esperança de que a próxima eleição os traga de volta, com base em novos campos de pensamento que possam nos apontar soluções. O papel do Exército e das Forças Armadas. “O Exército é uma instituição de Estado. Não é ligado a governos. Por consequência, nós, o Exército, estabelecemos como doutrina, e como eixo de atuação, que vamos nos preocupar com a manutenção da estabilidade, não criar nem provocar movimentos que gerem alguma incerteza e alguma instabilidade. Entendemos que o essencial é que as instituições encontrem os caminhos para a solução dos problemas, em nome da sociedade. Diz o artigo 142 da Constituição que Marinha, Exército e Aeronáutica são instituições nacionais permanentes, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob coordenação do presidente da República, destinadas à defesa da Pátria, à defesa das instituições e, por iniciativa de uma delas, à garantia da lei e da ordem. Nosso dever é sempre preservar a democracia e garantir o funcionamento das instituições. É assim que a sociedade nos vê, o que nos torna a instituição de maior credibilidade no País. Não focamos o curto prazo. Focamos o longo prazo, a continuidade.” Preocupação com a crise. “Assim como atravessamos o impeachment da presidente Dilma Rousseff, estamos enfrentando esse momento. É lógico que, como qualquer instituição, sofremos as injunções decorrentes da crise. Nos preocupam as consequências de caráter econômico que podem afetar, em termos de orçamento, os nossos projetos. Essa é a questão que mais nos preocupa.” O Brasil atual. “Tenho dito que o Brasil é um país sem projeto, um país à deriva, não de agora, mas de algum tempo – quero esclarecer, porque disse em outra entrevista e interpretaram como uma crítica minha ao atual governo. O Brasil perdeu a coesão social, perdeu o sentido de projeto e a ideologia do desenvolvimento. O País está muito preso ainda a dogmas políticos e ideológicos que não têm capacidade de interpretar o mundo atual, um mundo totalmente interligado, com cadeias econômicas transnacionais. Interpretações com base ainda em luta de classes não cabem, porque patrão e empregado não estão mais em campos opostos, mas no mesmo campo. Veja que um marca-passo que a pessoa coloca é monitorado da Alemanha; uma turbina de avião, quando o avião decola, é monitorada do Reino Unido. Essas xenofobias, esses fracionamentos, são contraproducentes, nos aprisionam e nos impedem de evoluir.” “Tenho esperança de que a próxima eleição dê oportunidade de que novas lideranças, com base em novos campos de pensamento, possam nos apontar soluções. Um grande mal que acho que nós estamos vivendo é a falta de lideranças. Toda nação, quando em crise, vê surgir líderes com estofo para apontar caminhos novos. Nós tivemos, por exemplo, Margareth Thatcher no Reino Unido, Ronald Reagan nos Estados Unidos, quando os Estados Unidos entravam numa crise séria, o Emmanuel Macron, agora, na França, que teve capacidade de interpretar a realidade e apontar um novo caminho. Acredito que é um processo natural que deve acontecer conosco. É a esperança que tenho em 2018.”



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário