ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Projeto arrojado de autoria de Lia Teixeira que acaba com o recesso parlamentar dos vereadores do mês de julho é aprovado

34ª CIPM reforça rondas na região visando o combate ostensivo ao roubo de veículos no município

Brumado: Homicídio é registrado na cidade na noite desta segunda-feira (21)

Economia: Ministério propõe privatização da Eletrobras

Saúde: Mosquitos modificados em laboratório podem ajudar no combate a dengue e zika

Frustração: Eclipse não pode ser visto em Brumado

'Tem idoso aqui de 75 anos levando lata d´água na cabeça', protestam moradores da Comunidade de Roça de Baixo

Brumado: Fábrica de postes é furtada na madrugada de hoje (21); é a décima vez

Vereador José Carlos de Jonas realiza visitas em comunidades rurais na companhia do Secretário de Agricultura e Recursos Hídricos

Itabuna: Jovens Vicentinos promovem tarde de recreação em orfanato

Psiquiatria na Clínica Master com Dr. Renato Franco

Brumado: Polícia realiza reconstituição de possível tentativa de homicídio

Brasil: Apenas 30% das cidades têm planos municipais de saneamento

Como acompanhar o eclipse solar de hoje (21)

Quem recebe auxílio-doença tem até hoje (21) para agendar nova perícia

Intermunicipal 2017: Seleção de Brumado vence Palmas de Monte Alto fora de casa

Câmara tentará votar reforma política nesta semana; PEC prevê fundo eleitoral

Criança de 5 anos toma coice de cavalo, não resistiu ao ferimento e veio a óbito

Cinema: Jerry Lewis morre aos 91 anos

Interior da Bahia poderá ver eclipse parcial do Sol nesta segunda-feira (21)


Delações JBS: Geddel tinha preocupação com possível delação de Cunha

Foto: Reprodução

Na conversa com o presidente Michel Temer (PMDB), o dono da JBS, Joesley Batista, relata que sempre se reunia com o baiano e então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, para tratar de assuntos de interesse da gigante do setor de frigoríficos. De acordo com o site O Antagonista, em um trecho da delação premiada, o empresário relata que Geddel tinha preocupação constante com a possibilidade de Eduardo Cunha (PMDB), preso em outubro do ano passado, firmar acordo de delação na Lava Jato. Nas reuniões, narra Joesley Batista, Geddel questionava sempre sobre a situação do Lúcio Funaro. O peemedebista baiano sabia que o empresário era quem "provia o sustento de ambos" para garantir o silêncio. Geddel era explícito quanto ao temor de que ambos se tornassem colaboradores da Lava Jato. Em sua comunicação frequente, Geddel sempre perguntava a Joesley Batista: "E o passarinho? Está calmo?".



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário