ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar à casa dos R$ 90 milhões

Mais um crime brutal confirma grau de violência em Brumado

Cerca de 30 prefeitos são investigados pelo MP por nepotismo na Bahia

‘Aqui todo mundo é parente’, alega prefeito baiano acusado de nepotismo

Em crise, Vitória enfrenta a Chapecoense neste sábado (22) pelo Brasileirão

Luto em Conquista: Morre o professor da UESB, Otoniel Magalhães Morais, vítima de câncer

Brumado: Operação 'Paz no Trânsito' tem continuidade na manhã deste sábado (22)

Brumado tem carreata e protestos contra preços dos combustíveis

Cristaluz inaugura moderna loja com um amplo showroom na área de produtos elétricos e iluminação

Estado é condenado a pagar R$ 160 milhões para 44 baianos por ação de 1991

Mega-sena pode pagar R$ 78 milhões em sorteio neste sábado

CCJ aprova fim de carros oficiais de autoridades; projeto seguirá para plenário

Vereadora Lia Teixeira participa de cerimônia com o presidente do TRE-BA

Lula cita Rui Costa como nome viável para disputar a presidência em seu lugar

Número de reclamações contra a Caixa sobre o FGTS mais que triplica em 1 ano

Fake News: Como identificar as notícias falsas

Entenda como a Reforma Trabalhista vai afetar quem já está empregado

Rio: Forças Armadas irão para as ruas diz Ministro da Defesa

Realidade bizarra: robô sexual agora ouvirá seus problemas

Vândalos destroem cabos de provedor de internet mais uma vez, e geram prejuízos a Maxxnet em Livramento



BUSCA PELA CATEGORIA "Política"

CCJ aprova fim de carros oficiais de autoridades; projeto seguirá para plenário

Carro oficial utilizado indevidamente em Salvador | Foto: João Pedro Pitombo

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que acaba com o direito a carros oficiais de deputados, senadores, juízes, promotores, procuradores e ministros de tribunais superiores, de Contas e conselhos. De autoria do deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB), o projeto propõe que os recursos orçados para aquisição de veículos sejam destinados às áreas de segurança, saúde e educação. Como justificativa, o parlamentar afirmou que o uso de veículos oficiais são apenas destinados na lei para os cargos de Presidência e Vice-Presidência da República, Presidência do Senado Federal, Presidência da Câmara da Deputados, Presidência do Supremo Tribunal Federal e Ministro de Estado. "Quer-se, agora, instituir a proibição do uso desses veículos chamados de representação, de modo a inibir essa prática ilegal", diz o deputado no projeto de lei. O direito a veículos de representação seria mantido para servidores que exercessem funções in loco, como “fiscalizar, inspecionar, diligenciar, executar ou dirigir trabalhos, que exijam o máximo de aproveitamento de tempo”, diz o texto. Para ser aprovado, no entanto, o projeto deverá passar pelo plenário da Câmara e do Senado Federal, além de ter que possuir a sanção presidencial.



Lula cita Rui Costa como nome viável para disputar a presidência em seu lugar

Foto: Reprodução

Em conversa transmitida pela internet com os jornalistas José Trajano, Juca Kfouri e Antero Greco, nesta quinta-feira (20), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou sobre o cenário das eleições de 2018 caso sua candidatura seja barrada em segunda instância, pelo Tribunal Regional Federal. Ele acredita que a sigla tem nomes viáveis para a disputa, "governadores em três Estados importantes, que têm cacife para ser candidatos", entre eles, o governador da Bahia Rui Costa. O petista também citou Fernando Pimentel, de Minas, Camilo Santana, do Ceará. Porém, Fernando Haddad pareceu ser a maior aposta de Lula, que em dois momentos citou o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação de seu governo como opção. O petista não deixou de falar de sua própria candidatura e afirmou que tem "obsessão de voltar, quero voltar para provar que é possível recuperar este país". Lula falou ainda sobre a candidatura de Bolsonaro e afirmou que acredita que o deputado federal não tem chance. Já Doria, segundo o petista, ainda tem que se provar. " Por enquanto, ele não é nada. É só o João trabalhador que não trabalha. Não adianta fugir para ser candidato —trabalhe, governe, faça o que dizia que ia fazer",



Bahia: Após dez anos da morte de ACM, carlismo se mantém vivo com 'nova arrumação política'

Foto: Montagem l 97News

A perpetuação do carlismo foi profetizada por Antônio Carlos Magalhães (ACM), então senador da República, no dia em que o ex-governador Jaques Wagner (PT) venceu Paulo Souto (PFL), membro do “pós-carlismo”. "Vocês verão a volta triunfal do carlismo na Bahia. O carlismo é uma legenda que não se apaga, queiram ou não os cronistas políticos", bradou o senador Antônio Carlos Magalhães em 2006, após ter perdido a hegemonia de quase vinte anos no governo da Bahia.  O termo “carlismo” é utilizado para designar o grupo formado em torno de ACM. De acordo com o cientista político Paulo Fábio Dantas, o carlismo teve três períodos. Uma primeira fase seria centrada na liderança de ACM, apoiada no clientelismo e no controle dos meios de comunicação. O termo se expande e torna-se uma expressão para o grupo político ligado a ACM, e uma terceira concepção do termo seria o carlismo como corrente política, um meio de agir na política, com modernização econômica e conservadorismo. Após dez anos de sua morte, completados nesta quinta-feira (20), a imagem e simbolismo de ACM ainda são perpetuados em todo o Estado, seja politicamente, ou mesmo através de símbolos, como através do uso de nomes da família Magalhães em avenidas, cidades, escolas, praças, viadutos, maternidade e aeroporto, para ficar em alguns exemplos.

Em 2012, antes da eleição que elegeu o atual prefeito de Salvador, ACM Neto, a imprensa nacional já posicionava Neto como “herdeiro do carlismo”. O prefeito, no entanto, afirma repudiar o tom de “dinastia” que é dado ao seu mandato e frequentemente evocado por membros da oposição. “Eu sempre tive muita cautela em evitar personalismos. Se eu não tivesse vocação, dom e não tivesse, acima de tudo, muita vontade de ingressar na vida pública, eu não teria nem entrado e nem me mantido nela e, sobretudo, construído vitórias após o falecimento dele”, disse Neto. Mesmo com a pontuação, o herdeiro político do ex-senador afirma que o carlismo resiste após dez anos da morte do avô. “Nós conseguimos resistir, nos mantivemos de pé com coerência, com respeito à nossa história e participamos da construção de um novo desenho, de uma nova arrumação na política”, avaliou Neto, ressaltando que o “carlismo” personificado na figura de ACM “não existe mais”. “Ainda existem não só pessoas, mas também valores, visões e compromissos com a Bahia da época em que ACM militava na política e era o líder principal do nosso grupo”, explica. O prefeito atribui ao carlismo o crescimento da Bahia dentro do país. “Sem dúvida o 'carlismo' foi o movimento político que talvez tenha marcado de maneira mais intensa a política da Bahia, sobretudo se nós olharmos os últimos 50 anos. [O Estado] ganhou competitividade no cenário nacional, se tornando um dos estados mais respeitados da nação”, atestou. O “fim” do carlismo centrado na imagem de ACM é apontado por historiadores e cientistas políticos como tendo sido concretizado na derrota de Paulo Souto para Jaques Wagner. A influência nacional do PT e da ascensão de Lula contribui para a derrota de Souto na Bahia. De acordo com o jornal Estadão, Lula teria afirmado no dia em que Jaques Wagner se tornou governador da Bahia que teria transformado Souto - e o carlismo - em um hamster. "Eu fui à Bahia e transformei o leão no hamster, e você derrotou o hamster no dia 1º de outubro". O Bahia Notícias entrou em contato com a assessoria do atual secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, para ouvi-lo a respeito da vitória em 2006 contra o grupo político de ACM, mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria. De acordo com Neto, a “morte política” do carlismo chegou a ser decretada. “Eu disse logo em seguida ao falecimento de meu avô, há 10 anos, que o ‘carlismo” não se manteria como se constituiu, afinal de contas a liderança de ACM personificava muitos sentimentos. Eu disse que, a partir dali, haveria mudanças, desenhos e redesenhos no cenário político local. Então, de certa forma, eu consegui antever o que ocorreu depois”, disse Neto. O professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Paulo Fábio Dantas Neto, especialista em elites políticas regionais, ressalta que o "carlismo" - como forma de realizar a política - está presente tanto na base do governo, como na oposição. "Os quadros ainda atuantes do extinto grupo carlista estão hoje distribuídos pelos dois campos adversários na política estadual", ressaltou Dantas que não descartou a possível aparição de um político autocrático e pragmático, assim como ele classifica ACM. "Não haverá um segundo ACM, assim como não haverá um segundo Lula. Mesmo surgindo um personagem com características parecidas, não creio que poderá exercer o poder do modo como ele exerceu por conta do estilo pessoal de ACM, que não pode ser reproduzido, e porque os tempos são outros", opinou. Para o professor e pesquisador, a política tende a ser ocupada por quadros mais institucionais e permeáveis a negociações internas. "O lugar de lideranças fortemente personalistas passou. Cada vez mais partidos e grupos organizados tendem a comandar mais do que pessoas", afirmou. O declínio do carlismo em torno da imagem de ACM teve como sucessor uma quase hegemonia do PT na Bahia, para Dantas. "Wagner caminhou na direção de construir, a partir do interior, um arco de alianças tão heterogêneo que, na prática, ameaçava instalar uma hegemonia comandada pelo PT na Bahia equivalente à que o carlismo tivera nos anos 90", declarou. Por conta das diversas crises protagonizadas pelo partido, no entanto, o processo acaba sendo cortado a partir de 2013 e sendo confirmado em 2016 com a derrota eleitoral do PT. "No momento voltamos à bipolaridade, mas isso traz pouca luz sobre o futuro imediato. A situação nacional deixou e ainda deixa em suspenso a definição sobre que formato de competição e sobre que dinâmica política a Bahia passará a ter a partir de 2018", analisou. O professor, no entanto, não vê ACM Neto como um replicador e perpetuador do carlismo. “Claro que o prefeito ACM Neto aciona, aqui e ali, o lado positivo que pode haver na memória controversa do seu avô. Mas o faz de modo pontual e nada determinante da sua estratégia política”, disse. Para Dantas, o prefeito recebe apoio do eleitorado que se opõe ao PT - de direita, centro e até esquerda. “Trocar o que hoje já possui e o horizonte que tem à sua frente por um simples retrovisor é algo que o prefeito ACM Neto só faria se fosse um estúpido em termos políticos, o que evidentemente não é o caso”, opinou.

CONTINUE LENDO


Sambolô é a grande pedida musical para este sábado (15) em Brumado

(Divulgação)

Brumado é considerada uma cidade altamente musical, não só pelo talento e criatividade de seus cantores e músicos, mas também pela grande receptividade do público, que ama e respira música, principalmente nos finais de semana, onde acontecem inúmeras apresentações de bandas e artistas nos mais diversos palcos da terra do minério. Então como é chegado mais um final de semana, neste sábado (15), a grande pedida musical será o Grupo Sambolô, que estará se apresentando na Praça do Jurema em dois horários, primeiramente às 14h no Jurema Bar e às 18h no Escritório Bar. Formada no início de 2013 pelos ecléticos Jai, Juraci e Ivis, o Sambolô hoje é considerado um dos grupos musiciais em maior ascenção, não só pela alta desenvoltura em suas apresentações, mais também pelo forte carismo dos seus integrantes que conquistam a plateia com muita facilidade. Com um repertório muito diversificado, o Sambolô está com grandes projetos para esse ano que deverá levar o grupo às paradas de sucesso baianas. Então fica aqui a dica musical do 97NEWS para aqueles que querem desfrutar de momentos agradáveis e ouvir os grandes sucessos do momento nas versões bem peculiares deste grupo fantástico que é o Sambolô. Confira abaixo o vídeo de uma das apresentações marcantes do grupo: 



‘Nada fora da Constituição’: Comandante do Exército afirma que papel das Forças Armadas é garantir a democracia

(Foto: Reprodução)

O comandante do Exército, general de Exército Eduardo Villas Bôas, diz que não há caminho a não ser o respeito à Constituição para que se resolva a crise política do País. “Nada fora da Constituição. As instituições é que vão ter de buscar essa saída.” Sentado em um sofá em seu gabinete no quartel-general do Exército, em Brasília, tendo à frente um grande quadro do Duque de Caxias, do coronel pintor Estigarribia, o general recebeu este repórter e falou do papel das Forças Armadas no atual momento, da preocupação com a falta de líderes e da esperança de que a próxima eleição os traga de volta, com base em novos campos de pensamento que possam nos apontar soluções. O papel do Exército e das Forças Armadas. “O Exército é uma instituição de Estado. Não é ligado a governos. Por consequência, nós, o Exército, estabelecemos como doutrina, e como eixo de atuação, que vamos nos preocupar com a manutenção da estabilidade, não criar nem provocar movimentos que gerem alguma incerteza e alguma instabilidade. Entendemos que o essencial é que as instituições encontrem os caminhos para a solução dos problemas, em nome da sociedade. Diz o artigo 142 da Constituição que Marinha, Exército e Aeronáutica são instituições nacionais permanentes, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob coordenação do presidente da República, destinadas à defesa da Pátria, à defesa das instituições e, por iniciativa de uma delas, à garantia da lei e da ordem. Nosso dever é sempre preservar a democracia e garantir o funcionamento das instituições. É assim que a sociedade nos vê, o que nos torna a instituição de maior credibilidade no País. Não focamos o curto prazo. Focamos o longo prazo, a continuidade.” Preocupação com a crise. “Assim como atravessamos o impeachment da presidente Dilma Rousseff, estamos enfrentando esse momento. É lógico que, como qualquer instituição, sofremos as injunções decorrentes da crise. Nos preocupam as consequências de caráter econômico que podem afetar, em termos de orçamento, os nossos projetos. Essa é a questão que mais nos preocupa.” O Brasil atual. “Tenho dito que o Brasil é um país sem projeto, um país à deriva, não de agora, mas de algum tempo – quero esclarecer, porque disse em outra entrevista e interpretaram como uma crítica minha ao atual governo. O Brasil perdeu a coesão social, perdeu o sentido de projeto e a ideologia do desenvolvimento. O País está muito preso ainda a dogmas políticos e ideológicos que não têm capacidade de interpretar o mundo atual, um mundo totalmente interligado, com cadeias econômicas transnacionais. Interpretações com base ainda em luta de classes não cabem, porque patrão e empregado não estão mais em campos opostos, mas no mesmo campo. Veja que um marca-passo que a pessoa coloca é monitorado da Alemanha; uma turbina de avião, quando o avião decola, é monitorada do Reino Unido. Essas xenofobias, esses fracionamentos, são contraproducentes, nos aprisionam e nos impedem de evoluir.” “Tenho esperança de que a próxima eleição dê oportunidade de que novas lideranças, com base em novos campos de pensamento, possam nos apontar soluções. Um grande mal que acho que nós estamos vivendo é a falta de lideranças. Toda nação, quando em crise, vê surgir líderes com estofo para apontar caminhos novos. Nós tivemos, por exemplo, Margareth Thatcher no Reino Unido, Ronald Reagan nos Estados Unidos, quando os Estados Unidos entravam numa crise séria, o Emmanuel Macron, agora, na França, que teve capacidade de interpretar a realidade e apontar um novo caminho. Acredito que é um processo natural que deve acontecer conosco. É a esperança que tenho em 2018.”



Mulheres na política: PRE representa 14 partidos por descumprimento de cota em propaganda partidária

(Imagem Ilustrativa)

Partidos deveriam destinar 20% do tempo total das inserções de propaganda partidária em rádio e televisão para promover e difundir a participação política da mulherProcuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE/BA) propôs ao Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE/BA) representações contra 14 partidos políticos por descumprimento da cota feminina no primeiro semestre de 2017. Os partidos deveriam destinar 20% do tempo total das inserções de propaganda partidária em rádio e televisão para promover e difundir a participação política da mulher, conforme previsão no art. 10 da Lei nº 13.165/2015. Em março deste ano, o procurador Regional Eleitoral, Ruy Nestor Bastos Mello, instaurou procedimentos preparatórios eleitorais contra 25 partidos para apurar a regularidade da propaganda partidária veiculada, no estado da Bahia, no primeiro semestre de 2017. Foi verificado, ainda, o atendimento das demais regras da legislação eleitoral, que vedam a utilização da propaganda partidária para divulgação de propaganda de candidatos a cargos eletivos ou a defesa de interesses pessoais. De acordo com a apuração, 14 partidos não fizeram nenhuma referência à participação da mulher na política ou não atingiram a cota necessária nas propagandas veiculadas no primeiro semestre de 2017. A punição prevista em lei é a perda de período de transmissão no semestre seguinte, equivalente ao tempo que deveria durar a inserção da cota feminina multiplicado por cinco, conforme o art. 45, § 2º, II, da Lei 9.096/95 – Lei dos Partidos Políticos (ver tabela abaixo com as penalidades para cada partido). Segundo Ruy Mello, as agremiações têm se mostrado resistentes em seguir a legislação. “Os partidos na Bahia ainda não se conscientizaram sobre a necessidade de cumprir a lei eleitoral, apesar de várias decisões proferidas pelo TRE/BA e pelo Tribunal Superior Eleitoral que determinaram a cassação de tempo de propaganda”,  As representações foram ajuizadas contra as seguintes agremiações: Partido Democratas (DEM), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido da República (PR), Partido Republicano Brasileiro (PRB), Partido Republicano da Ordem Social (PROS), Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), Partido Socialista Brasileiro (PSB), Partido Social Cristão (PSC), Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Partido Social Liberal (PSL), Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Verde (PV), Partido Solidariedade (SD).



No rádio, Waldenor critica salvamento de Temer pela CCJ

(Foto: Reprodução)

Em entrevista ao programa Conquista de Todos, da Band FM, na noite desta quinta-feira (13), o deputado federal Waldenor Pereira criticou a decisão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados de rejeitar o relatório favorável à investigação do presidente Michel Temer pelo Supremo Tribunal de Justiça (STF), que recebeu denúncia de corrupção passiva feita pela Procuradoria Geral da República (PGR).  "Estamos atônitos, estarrecidos com o comportamento da Comissão de Constituição e Justiça que, na verdade, foi totalmente alterada de última hora. Só para você ter uma ideia, dezenove membros foram substituídos para garantir o apoio ao governo golpista e ilegítimo de Michel Temer, uma verdadeira compra de votos", comentou o deputado, ao telefone, diretamente de Brasília.  O relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) foi rejeitado por 40 votos a 25 (e 1 abstenção).  A denúncia contra Temer deve ser apreciada pelo plenário da Câmara no próximo mês de agosto, após o recesso parlamentar.  "A nossa expectativa agora é que, no plenário, nós consigamos acolher a denúncia e afastar esse governo que tanto mal está fazendo ao povo brasileiro, tendo em vista as iniciativas e as proposições que, na sua maioria absoluta, são nocivas, perversas, prejudiciais ao povo brasileiro de uma forma geral, especialmente aos trabalhadores", disse Waldenor, que também criticou a pressa de Temer em sancionar a Reforma Trabalhista, aprovada na última terça-feira (11) pelo Senado. "A sanção dessa reforma, que eu considero a mais nociva de todas, porque traz no seu bojo conteúdo que retira direitos conquistados a duras penas, com muitas lutas pelos trabalhadores brasileiros, tem por objetivo se aproximar do empresariado, do grande capital nacional, para tentar se manter no poder, tem o objetivo de ganhar o apoio, aqui no Congresso Nacional, de segmentos mais reacionárias, que, como pudemos ver agora há pouco, votou a favor da sua permanência", concluiu 



Zé Ribeiro acompanha Mutirão das Cirurgias e lamenta pouca divulgação por parte do município; 'poderia ter muito mais pacientes'

O vereador Zé Ribeiro recebeu do coordenador Deleon Francisco as primeiras avaliações sobre o Mutirão de Cirurgias em Brumado (Foto: Daniel Simurro | 97NEWS)

O vereador Zé Ribeiro (PT), que vem em seus constantes pronunciamentos mostrando uma grande preocupação com a área de saúde pública em Brumado, fez questão de acompanhar o processo de triagem do Mutirão das Cirurgias, o qual está sendo realizado pelo Governo do Estado da Bahia por meio da Sesab. "Fizemos questão de estarmos presentes neste último dia da triagem para ouvir uma primeira avaliação sobre essa ação fantástica, que está sendo promovida pelo governo de Rui Costa", citou o vereador que ainda observou que "apesar de ser uma grande ação que vem beneficiar muito a população, não só de Brumado, mas com os 20 municípios pactuados, com o acesso a cirurgias caras como a da vesícula que é feita por meio de um sistema moderno à laser, o comparecimento foi menor do que o previsto (como pode ser comprovado na foto abaixo), já que não houve uma ampla divulgação por parte da prefeitura municipal. Lamentamos isso, pois um grande número de pessoas que poderiam ser beneficiadas não tomaram conhecimento do mutirão". Zé Ribeiro ainda argumentou que "tem que existir o reconhecimento por esta ação tão grandiosa, que vem atender os grandes anseios da população. Eu presenciei aqui um grande profissionalismo e todos os pacientes muito satisfeitos, o que vem comprovar o empenho do governo do estado e também do sdeputados Waldenor Pereira e Zé Raimundo na promoção de uma saúde pública de excelência" e finalizou dizendo que "fica aqui também o nosso reconhecimento à equipe coordenada pelo excelente profissional Deleon Francisco, que está desempenhando um trabalho notável que merece todos os nossos aplausos". 

(Foto: Daniel Simurro | 97NEWS)


Escândalo: Em conversa grampeada, senador põe gabinete à disposição de prostitutas

Com influência no meio político, grupo alicia garotas no Sul e as convence a pagar até R$ 900 por semana para ficar em imóveis na capital (Fotos: Reprodução)

A Polícia Civil do Distrito Federal investiga uma rede de prostituição interestadual que se alastrou por áreas nobres do Distrito Federal e tem influência para circular com desenvoltura por gabinetes de clientes poderosos. Diálogos gravados por meio de interceptações telefônicas, e que agora integram inquérito aberto pela 3ª Delegacia de Polícia (Cruzeiro), revelaram a aproximação de cafetões e parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Um dos políticos chegou a colocar parte de sua equipe, paga com dinheiro público, à disposição de uma das garotas de programa. A apuração conta com dezenas de horas de gravações feitas com autorização judicial e investiga a conexão entre agenciadores do DF e do Sul do país. O cafetão, de Porto Alegre, costuma utilizar as garotas de programa como uma espécie de “cartão de visita” para se aproximar dos políticos. Em duas interceptações telefônicas, os investigadores flagraram o agenciador conversando com dois deputados federais (um de São Paulo e outro do Rio de Janeiro) e um senador (eleito pela Região Norte). O integrante do Senado demonstra bastante intimidade com o cafetão e a prostituta, que chega a trocar algumas palavras com o político pelo telefone. Durante a conversa com a garota de programa, o senador coloca seu gabinete à disposição para ajudá-la no que for preciso até que ela se estabeleça na cidade. A mulher agradece e diz que pretende fazer faculdade no DF e se firmar. O político insiste em encontrá-la assim que ela desembarcar em Brasília. Os nomes dos parlamentares estão sendo mantidos em sigilo pela polícia para não atrapalhar a investigação. Os agentes destacam que eles não eram alvo das gravações, mas sim o cafetão. E causou surpresa o conteúdo das conversas. Como os senadores e deputados têm foro privilegiado, será necessária autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para investigá-los. O agenciador do Rio Grande do Sul, que costuma viajar constantemente para o DF, foi monitorado pela Polícia Civil durante a negociação de programas sexuais. Os policiais descobriram que o homem chegou a usar a própria mulher – com quem tem dois filhos – como garota de programa. A teia de captação, segundo as apurações policiais, começa em boates e casas noturnas no interior do Rio Grande do Sul, em cidades como Canoas. Jovens que estão em dificuldade financeira e faturando pouco com o mercado da prostituição são cooptadas por um dos cafetões do grupo que age no DF. O homem promete passagens aéreas, hospedagem e uma carteira de clientes. As mulheres também ganham espaço em um site adulto, para veicular anúncios e vídeos. // Metropoles.

(Fotos: Reprodução)


Malhada de Pedras: Ex-prefeito 'Ceará' continua foragido; prisão pode acontecer a qualquer momento

O ex-prefeito Ceará pode voltar à prisão a qualquer momento (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)

O 'upgrade' que vem sendo feito na Justiça do Brasil, onde até ex-presidente é condenado em primeira instância pela Justiça, como ocorreu ontem (12) com Lula (PT) e, hoje, com o atual presidente Michel Temer (PMDB) que está passando por uma avaliação na CCJ do Senado, sobre possíveis crimes de corrupção ativa e passiva e formação de quadrilha, vem promovendo um clima de forte transformação e de resgate da seriedade de um país que se encontra num momento muito delicado, onde, infelizmente, a impunidade vinha imperando. Nesse novo cenário, políticos que lesam o erário público estão na alça de mira da Justiça e, esse é o caso do ex-prefeito de Malhada de Pedras, Valdecir Alves Bezerra, o "Ceará" que ficou confinado por meses numa cela fria do presídio em Vitória da Conquista, conseguindo a sua liberdade por meio de uma fiança fixada em R$ 150 mil em 11 de março de 2017. Ele que foi recebido com festa por seus correligionários e simpatizantes, agora, deverá voltar para atrás das grades, já que uma nova decisão da justiça publicada nesta terça-feira (11) decretou a prisão preventiva do ex-prefeito. O clima na cidade continua de forte apreensão, pois é dada como certa a prisão a qualquer momento, mesmo "Ceará" estando foragido. Há rumores que ele tenha saído do estado, para que os seus advogados possam conseguir o relaxamento da prisão, que pelos indícios, foi dada pelo fato da fiança não ter sido paga. Vários membros do seu governo estão sendo ouvidos (alguns já penalisados inclusive) pela Polícia Federal que está dando continuidade à Operação Vigilante que promete novos e estrondos desdobramentos que poderão respingar até sobre a atual gestão municipal. Confira a decisão abaixo: 

(Reprodução TRF1)