ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brasil: Número de mulheres presas é oito vezes maior em 16 anos

Violência: Casal é morto a tiros na tarde de hoje (16) em Vitória da Conquista

Brumado: Queda de sistema suspende cadastro de biometria do TRE e eleitores sofrem em fila

Brumado: Família procura por Edinha que está desaparecida desde a última quinta-feira (12)

TRE garante recadastramento de eleitor em Planalto

Comunicado: Poder Legislativo de Brumado

Pioneirismo: Prefeitura de Brumado desenvolve segunda etapa do rastreamento dos veículos que realizam o Transporte Escolar

Tragédia na Lapa: Pai e filho morrem afogados durante banho no Rio São Francisco

Presidente da Câmara de Vereadores de Brumado, Léo Vasconcelos entrega convite de sessão solene a presidente da OAB de Brumado

BA-148: Veículo com placa de Brumado se envolve em acidente com uma S10

Campeonato de Futebol de Itaquaraí 2017: Após intensa disputa, equipe da casa se sagra campeã em disputa de pênaltis

Empresa de Vitória da Conquista dá exemplo e ganha o mercado brasileiro

PF encontra digitais de secretário parlamentar de Lúcio Vieira nos R$ 51 milhões

Chapada: Focos de incêndio atingem regiões em Andaraí e na divisa de Barra da Estiva e Ituaçu

Angiologia na Clínica Master com Dr. Thiago Marques Coelho

Salvador: PF faz busca em endereço de Lúcio Vieira Lima

Café da Manhã: As delícias com uma qualidade inigualável você só encontra na Padaria Divina

PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima

Para se afastar do Z4, Bahia recebe o líder Corinthians na Arena Fonte Nova

Moradores da Rua Senhora Santana são vítimas de refluxo de esgoto; 'a água está voltando contaminada', relatam



BUSCA PELA CATEGORIA "Mundo"

Facebook e Instagram apresentam instabilidade nesta quarta-feira (11)

(Imagem: Reprodução)

O Facebook e o Instagram registraram instabilidade nesta quarta-feira (11) em vários pontos do mundo, inclusive no Brasil. Usuários reclamaram que não conseguiam acessar suas contas e outros verificaram lentidão na conexão com as redes sociais. Desde 2012, o Instagram é administrado pelo Facebook. “Sabemos que algumas pessoas estão com dificuldade para acessar o Facebook e o Instagram. Estamos trabalhando para normalizar a situação o mais rápido possível", informou o Facebook, através de um porta-voz, no início da tarde.  O site Down Detector, que registra problemas de conexões a serviços, sites e apps de acordo com relatos de usuários, mostrou que a partir do meio dia de hoje houve um grande número de reclamações ligados ao Facebook e Instagram. Pelo site, um mapa real mostrava que o maior volume do problema vinha dos EUA e Europa, mas o Brasil também tinha casos.



'Tragam seus filhos para ver gente nua': campanha do Museu d’Orsay será retomada em Paris

Cartaz foi o que mais chamou a atenção na campanha (Foto: Museé d'Orsay/Facebook)

Uma bem-sucedida operação de comunicação, lançada em 2015 pelo Museu d’Orsay e o Museu da Orangerie, em Paris, para atrair mais famílias aos locais, será retomada neste mês de outubro em Paris. Um dos cartazes da campanha utiliza a mensagem: “Tragam seus filhos para ver gente nua”. A operação utiliza, no total, nove cartazes - exibidos em ruas, paradas de ônibus e metrôs de Paris - com obras célebres dos dois museus aliadas a frases divertidas, sempre direcionadas a pais e filhos. Sucesso nas redes sociais, a peça que mais teve êxito utiliza a tela “Femme Nue Couchée” (Mulher Nua Deitada), realizada em 1907, pelo pintor francês Auguste Renoir. Na obra, uma jovem é retratada em uma cama, seios à mostra, o sexo coberto com um lençol. Mas foi a mensagem utilizada no cartaz que chamou a atenção do público: “Tragam seus filhos para ver gente nua”. A operação foi realizada pela agência parisiense Madame Bovary, com a coordenação da diretora de comunicação do Museu d’Orsay e da Orangerie, Amélie Hardivillier. “A campanha foi muito bem recebida pelo público, apreciada e reproduzida. Não houve nenhuma polêmica em relação a ela”, diz.  Segundo ela, o objetivo da campanha era se colocar no lugar das crianças quando elas vão aos museus, decifrar suas reações e a compreensão que têm das obras. Além disso, a operação de comunicação brinca com uma inversão de valores: “queríamos mostrar que são as crianças que levam os pais aos museus”. Para Hardivillier, todos devem ir a exposições de arte. O maior desafio para sua equipe, afirma, é justamente como atrair diferentes públicos ao local, entre eles, crianças e adolescentes. Para isso, segundo ela, é preciso relacionar obras históricas a assuntos atuais. “São Sebastião é um santo. Mas pode se tornar um ícone gay se você o observar nas pinturas com o com o olhar de hoje”, ressalta. A diretora de comunicação salienta que nenhuma obra do museu tem censura de idade, nem mesmo a emblemática “L’Origine du Monde” (A Origem do Mundo”, tela de realizada por Gustave Courbet em 1866). Isso não exclui por exemplo, o debate em torno da pintura adquirida pelo museu em 1995, que é protegida por um vidro e fica em uma sala especial do museu. “Há a relação com a nudez que leva ao debate, sobretudo sobre essa obra, que é tão sensível. Mas essa também é a função da arte: incomodar, questionar”, reitera.



Sobe para 58 o número de mortes no maior ataque da história feito por um atirador no EUA

(Foto: Reprodução)

O número de mortes por um ataque na noite de domingo em Las Vegas subiu para 58 no começo desta tarde, segundo autoridades, com mais de 500 pessoas feridas. O episódio ocorreu quando dezenas de milhares de pessoas viam um show em um festival de música, no pior ataque a tiros da história moderna dos Estados Unidos. As autoridades informaram que o atirador, Stephen Craig Paddock, de 54 anos, se matou após a ação. A polícia ainda não determinou a motivação do ataque e o FBI descartou que o responsável tenha relação com grupos terroristas internacionais. 



Sobe para 50 o número de mortos em tragédia em Las Vegas

(Foto: Reprodução)

Pelo menos 50 pessoas que assistiam a um show de música country morreram e 200 ficaram feridas em um ataque a tiros registrado na noite desse domingo (horário local, madrugada de segunda-feira em Brasília) em Las Vegas, nos Estados Unidos (EUA). De acordo com o chefe da Polícia Metropolitana de Las Vegas, Joe Lombardo, o suposto autor do tiroteio foi morto posteriormente pela polícia em um hotel próximo ao local do show. O ataque aconteceu no encerramento do festival country Route 91 Harvest, perto do Hotel Mandalay Bay, na zona sul da famosa avenida que concentra os principais hotéis e cassinos de Las Vegas. De acordo com Lombardo, o suspeito agiu sozinho e fez o ataque a partir do 32º andar do hotel, onde foi encontrado e abatido pelos agentes. O policial disse ainda que o suspeito é um morador local e confirmou que a polícia procura a acompanhante do agressor, que identificou como uma mulher asiática chamada Marilou Danley. Pouco após os disparos, a polícia determinou o fechamento de uma ampla seção do sul do Boulevard Las Vegas, via principal da cidade, bem como de várias ruas próximas. O ataque aconteceu por volta das 22h de ontem (horário local, 1h de segunda-feira em Brasília) enquanto o cantor de música country Jason Aldean se apresentava no encerramento do festival.



Horror em Las Vegas: Autoridades confirmam 20 mortos em tiroteio em festival country

Atirador estava no topo de um prédio ao lado do show (Foto: Reprodução)

Um tiroteio na noite desde domingo (01) durante um show ao ar livre em Las Vegas, nos Estados Unidos, deixou pelo menos 20 mortos, segundo o site da CNN. Entre os mortos está o atirador, diz a polícia local. As várias ambulâncias enviadas ao local levaram os feridos ao Sunrise Hospital Medical Center e ao Universty Medical Central. A polícia informou que um suspeito tinha sido abatido e que não acredita que haja mais agressores. “Confirmamos que um suspeito foi morto”, disse a polícia de Las Vegas na sua conta do Twitter, que por enquanto não confirmou o número de vítimas. Um vídeo publicado pela rede americana CNN mostra uma sequencia de disparos durante a apresentação



Novo terremoto de 6,2 graus atinge região central do México

Foto | EFE e Associated Press

Um terremoto de magnitude 6,2 graus na escala Richter sacudiu neste sábado, 23, a região central e o sul do México, gerando alerta apenas quatro dias depois de outro poderoso tremor de 7,1 graus ter deixado cerca de 300 mortos, segundo informações do Observatório Geológico dos Estados Unidos. Ainda não há relatos de feridos ou danos causados pelo novo terremoto. O sismo foi registrado por volta de 7h53 no horário local (9h53 horário de Brasília), com epicentro 12 quilômetros ao norte da cidade de Ixtepec, no estado de Oaxaca, a mesma região onde no último dia 7 de setembro um terremoto de 8,2 graus, o mais forte no país desde 1932, ter deixado 98 mortos. 



México registra tremor de magnitude 7,1 no aniversário do terremoto devastador de 1985

Moradores removem destroços de edifício danificado após terremoto atingir a Cidade do México nesta terça-feira, 19 de setembro de 2017 (Foto: Alfredo Estrella/AFP)

Um forte tremor foi sentido no México na tarde desta terça-feira (19). O Serviço Geológico dos EUA (USGS) detectou um terremoto de magnitude 7,1 com epicentro perto da cidade de Izucar de Matamoros, que fica ao sul da capital mexicana, às 15h14 (hora de Brasília). O abalo ocorreu exatamente 32 anos depois do grande terremoto mexicano de 19 de setembro de 1985, que matou dezenas de milhares de pessoas. Por conta dessa data, antes do abalo verdadeiro desta tarde, a Secretaria de Proteção Civil mexicana realizou, pela manhã, uma simulação de um terremoto de magnitude 8.0, com epicentro em Guerrero. O exercício teve início às 11 horas (13 horas em Brasília), pouco mais de duas horas antes do terremoto real, e marcou o aniversário do tremor de 1985. O presidente mexicano Enrique Peña Nieto, que estava em Nova York para a Assembleia Geral da ONU, decidiu imediatamente voltar a seu país. Nas redes sociais, começam a aparecer danos na Cidade do México e em outras localidades, citando quedas de edificações.



Trump vai à ONU e ameaça 'destruir totalmente' Coreia do Norte

O presidente do EUA ainda pediu para que a ONU tome

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta manhã, em discurso na Assembleia Geral da ONU, que o líder do regime na Coreia do Norte, Kim Jong Un, está em uma "missão suicida". Trump chamou novamente Kim Jong Un de "homem foguete", em alusão a uma série de mísseis lançados pela Coreia do Norte. Trump também afirmou que os EUA não terão outra escolha que não "destruir totalmente" a Coreia do Norte, caso sejam obrigados a defender a si ou a seus aliados da ameaça nuclear. "Os EUA estão prontos e dispostos a tomar ações militares contra a Coreia do Norte, mas espero que isso não seja necessário", disse o presidente americano. Ele ainda pediu para que a ONU tome "medidas drásticas" para impedir a continuidade do programa nuclear norte-coreano. "É para isto que a ONU serve. Vamos ver do que ela é capaz", declarou.



Explosão em metrô de Londres deixa feridos; Polícia trata incidente como terrorismo

Foto: Reprodução l R7

A Polícia de Londres e serviços de emergência foram deslocados para o entorno de uma estação do metrô da Capital Inglesa onde um ‘incidente’ com 18 feridos foi registrado, por volta das 5 horas da manhã (9 horas no horário local) desta sexta-feira (15). Segundo agências de notícias, a Polícia Londrina confirma que se trata de um ataque terrorista. Uma segunda bomba, que não explodiu, foi localizada. Em redes sociais, passageiros relatam ter ouvido uma explosão na estação Parsons Green, na zona oeste da cidade. Também há relatos de passageiros com queimaduras nos rostos. A explosão teria acontecido em um balde colocado dentro de um vagão. Produtos químicos que teriam provocado a explosão estavam dentro de um saco plástico de supermercado. A polícia de Londres confirma o incidente, mas não dá detalhes do que aconteceu.



Se a Moda Pega: Cão é lançado 'candidato' a prefeito no Canadá

O cão Finn (Foto: Paul Daly/The Canadian Press via AP)

O cão Finn, de 5 anos, está fazendo sucesso após seu dono ter lançado sua "candidatura" à prefeitura da cidade de St. John, na província canadense de Newfoundland. Finn, da raça boiadeiro australiano, aparece em uma campanha bem humorada no YouTube que está fazendo sucesso nas redes sociais, confira abaixo: 



Youtuber brasileira tem apartamento destruído após furacão

(Reprodução: Instagram)

O estilo dos posts da brasileira Lorrayne Mavromatis mudou bastante nos últimos dias. A youtuber costuma falar com leveza e glamour sobre o seu estilo de vida na ilha St. Maarten, no Caribe, onde mora. No entanto, as últimas publicações da fotógrafa mostram seu apartamento e região devastados pelo furacão Irma. "Perdemos tudo. Não sobrou nada. Nosso prédio foi devastado. Não temos mais nada. Nosso prédio foi um dos mais devastados da ilha e apesar de termos perdido tudo, estamos vivos. E isso não tem preço. Ainda estamos no abrigo. Sem água. Sem internet (de vez em quando capto sinal 1g). Sim, os estudantes terão que ser evacuados, pois a ilha está completamente destruída", escreveu na sexta-feira, 8. Neste sábado, 9, a youtuber voltou atualizar as redes sociais. Ela afirmou que está em contato com a embaixada brasileira para tentar sair da ilha e fugir do fenômeno José -mais um furacão que deve chegar em breve ao Caribe.  "O furacão José irá passar hoje, e estamos correndo para nos preparar. Estou em contato com o consulado do Itamaraty em Brasília e até o momento, ainda estão avaliando as opções para nos evacuarem. No entanto, com a passagem do novo furacão nada poderá ser feito hoje. Aviões militares dos EUA estão evacuando cidadãos Americanos da ilha toda. Pelo que falaram, são mais de 3 mil. Evacuaram 10 mães com filhos da escola hoje, mas não deixaram os pais irem juntos. Ainda temos comida e água para beber. Enfim, esta é a atualização de agora. Lá vamos nós para mais um furacão, em questão de dias", disse Lorrayne no Instagram.  



Por que é quase impossível um furacão como o Irma atingir o Brasil?

Segundo a Nasa, o furacão Irma é o maior da última década; especialistas dizem que, no Brasil, fenômeno similar é quase impossível (Foto: NASA/Handout via Reuters)

Países caribenhos e pessoas que vivem em algumas regiões da costa leste dos Estados Unidos estão em alerta para a chegada do furacão Irma. A Nasa (agência espacial americana) diz que o fenômeno, que está no mar do Caribe, é o maior registrado na última década. Mas por que, diferentemente desses lugares periodicamente atingidos por fenômenos climáticos similares, o Brasil não precisa se preocupar com isso? Segundo meteorologistas ouvidos pela BBC Brasil, as chances de que isso aconteça por aqui são mínimas - a explicação é que a formação de um furacão depende de uma série de fatores que só foi registrado uma vez no país. "Por enquanto, é quase impossível que um furacão atinja o Brasil, a não ser que as mudanças climáticas também tenham alguma influência", diz Michael Pantera, meteorologista do Centro de Gerenciamento de Emergência de São Paulo. A meteorologista Bianca Lobo, do Climatempo, explicou que um dos principais "combustíveis" para a formação de um furacão são as águas quentes do mar - que precisam estar acima de 27°C. "No Brasil, nós não temos isso. As maiores temperaturas são registradas no mar do Nordeste, onde não passam de 26°C", diz. "A umidade e a água quente do oceano que dão força a um furacão. Quando ele chega à costa, perde força", acrescenta Pantera. Outro fator necessário para a formação de um furacão é o cisalhamento ou tesoura de vento - como são chamadas as mudanças de velocidade ou direção das correntes de ventos. Os especialistas explicam que esse fenômeno é raro nos países localizados na linha do equador, como o Brasil. Meteorologistas afirmam que esse é um fator que também inviabiliza que um tornado formado no Caribe atinja o Brasil, já que ele perderia completamente a força ao se aproximar da linha do equador devido ao efeito de força de coriolis.



O que eram os misteriosos flashes de luz vistos no céu do México durante o terremoto?

As luzes apareceram em diferentes partes do México durante o terremoto (Foto: Reprodução/Twitter/@orlaherrera)


Um terremoto de magnitude 8,2 na escala Richter atingiu o território do México na madrugada desta sexta-feira (8) e acionou alertas de tsunami em vários pontos do litoral do Pacífico. O epicentro foi registrado a 137 km a sudoeste de Tonalá, no Estado de Chiapas, mas o tremor chegou a ser sentido na capital Cidade do México, a centenas de quilômetros dali, onde também foram registradas luzes semelhantes às de uma aurora boreal, segundo relatos de moradores nas redes sociais e reportagens de veículos de imprensa locais, como o conglomerado de mídia Televisa. Mas o que são esses misteriosos clarões de luz? E o que eles têm a ver com o terremoto? Segundo pesquisadores da Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, essas luzes aparecem devido a movimentos em camadas do solo, que geram cargas elétricas enormes quando acontecem perto de falhas geológicas da Terra. São conhecidas como "luzes de terremoto" e são documentadas desde os anos 1600, de acordo com um comunicado da Associação Sismológica dos Estados Unidos. Dois dias antes do terremoto de 1906 em San Francisco, por exemplo, um casal enxergou raios de luz no céu. Em 1998, um globo brilhante de luzes rosa e púrpura foi visto 11 dias antes de um terremoto devastador em Quebec, no Canadá. Pouco antes do sismo de 2009 em L'Aquila, na Itália, transeuntes viram "chamas de luz" saindo dos paralelepípedos no centro histórico da cidade poucos segundos antes do tremor. Câmeras de segurança também registraram raios de luz durante o terremoto de magnitude 8,0 em Pisco, no Peru, em 2007. Vários vídeos publicados no YouTube mostram esferas de luz na época do terremoto seguido de tsunami em Fukushima, no Japão, em 2011. E agora algo parecido está acontecendo no México.

 



WhatsApp: Usuários reclamam de instabilidade no serviço

Foto: Montagem l 97News

O WhatsApp, sistema de mensagens instantâneas popular no Brasil, apresenta instabilidade em diversos lugares do mundo, segundo relatam usuários em redes sociais. De acordo com o site independente Down Detector, usuários nos Estados Unidos, Inglaterra e em parte da Europa reclamam que o aplicativo, que faz parte do império do Facebook, está fora do ar. No Brasil, as primeiras reclamações começaram há cerca de uma hora. Segundo o Down Detector, cerca de 60% dos usuários têm problemas de conexão, enquanto que 32% apontam dificuldades para enviar e receber mensagens. Para 10% dos usuários, o aplicativo sequer realiza login.



Um século: Maior asteroide a cruzar a Terra passará nesta sexta a 7 milhões de km

Foto: NASA/ AFP

Omaior asteroide que se aproximou da Terra em mais de um século passará nesta sexta-feira (31) a uma distância de sete milhões de quilômetros, sem representar nenhum perigo para o nosso planeta, disse a Nasa. Este asteroide, de 4,4 km de diâmetro, chamado Florence, foi descoberto em março de 1981. "É o maior objeto celeste a passar tão perto do nosso planeta dese a descoberta do primeiro asteroide nas proximidades da Terra há mais de um século", afirmou a agência espacial em seu site. "Embora muitos asteroides conhecidos tenham cruzado a Terra a uma distância mais curta do que fará Florence na sexta-feira, 1º de setembro, todos eram menores", assinalou Paul Chodas, responsável do Centro para o Estudo de Objetos Próximos à Terra, dependente da Nasa. Florence não deverá retornar às imediações da Terra até outubro de 2024 e não voltará a passar tão perto de nosso planeta até dentro de 500 anos, afirmou a Nasa. Os cientistas aproveitarão esta passagem para estudar o corpo celeste mais detalhadamente usando poderosos telescópios na Califórnia e em Porto Rico. "As imagens resultantes devem permitir determinar as dimensões exatas do asteroide e também revelar os detalhes de sua superfície com uma precisão de 10 metros", calculou a Nasa. As colisões entre grandes asteroides e a Terra são eventos incomuns. "Aproximadamente a cada 2.000 anos, um meteorito do tamanho de um campo de futebol atinge o planeta, devastando a área de impacto e os arredores", afirmou a agência espacial americana. Sobre os objetos celestes capazes de aniquilar a civilização humana, como o que provocou o fim dos dinossauros há 66 milhões de anos, estes ameaçam a Terra uma vez a cada alguns milhões de anos, acrescentou. Igualmente raro, o meteoro que provocou importantes danos e deixou 1.000 feridos em Chelyabinsk, na Rússia, em fevereiro de 2013, tinha um diâmetro de 15 a 17 metros e uma massa de 7.000 a 10.000 toneladas. Este objeto liberou uma energia estimada de cerca de 30 vezes a potência da bomba de Hiroshima.



Como saber se uma notícia é falsa?

(Imagem: Reprodução)

Jornalistas literalmente “fabricam” notícias. Não acham a notícia por aí. Não publicam uma transcrição da realidade. Por mais que se esforcem, não dão uma cópia da realidade — mas a realidade emoldurada, a realidade realçada, a realidade reconfigurada por ser exposta em uma página ou tela, a realidade retocada pela magia da publicação em si.

Venha de uma molecada da Macedônia querendo ganhar um troco ou de gente de extrema direita que vê conspiração em tudo e quer causar tumulto, a “notícia falsa” virou parte do vocabulário político de hoje. É dificílimo dizer até que ponto o fenômeno das fake news influenciou a eleição presidencial nos Estados Unidos em 2016, mas que a ideia em si causou impacto é patente.

O atual presidente americano, Donald Trump, gosta de aparecer na mídia (como seus antecessores), mas em seu caso a tática normalmente é fazer pronunciamentos inconsequentes e sem nenhum fundamento.

Toda vez que um presidente americano abre a boca, no mundo todo muita gente presta atenção. Se despacha soldados para uma batalha, até muitos americanos que não veem sentido em guerras vão mostrar patriotismo. Se tiver um pólipo maligno removido do cólon (como Ronald Reagan), milhares de pessoas nos dias seguintes vão agendar uma colonoscopia. Se um mandatário pode involuntariamente levar os outros a se submeterem a uma colonoscopia, o que mais pode fazer com seus atos ou palavras? Quando um presidente declara que a grande imprensa é “inimiga do povo americano”, o que ficaria inclinado a pensar um cidadão normalmente ajuizado?

Realidade em primeiro lugar

A função do jornalista é fabricar notícias, assim como a função do pedreiro é construir casas. Os dois ofícios têm regras. A primeira regra para o jornalista comprometido com o trabalho é colocar a realidade em primeiro lugar. Um jornalista responsável não produz notícias falsas, nem notícias exageradas ou notícias corrompidas. Não subordina o relato honesto à coerência ideológica ou ao ativismo político. Não tenta agradar anunciantes ou se ajustar aos interesses comerciais do veículo — nem às preferências do público.

No último século, a tendência dominante na história do jornalismo americano foi a profissionalização de uma equipe de repórteres que apura notícias. O jornalismo é anterior à reportagem, mas da década de 1820 em diante a reportagem passou a ser o centro do jornalismo americano. Na Europa não era assim; alguém observou que, lá, “a reportagem [estava] matando o jornalismo” — ou seja, o relato direto dos acontecimentos do dia estava roubando o foco dos ensaios discursivos sobre teoria, filosofia e em defesa de bandeiras políticas que dominavam grande parte da imprensa europeia. Foi só no século 20 que essa imprensa começou a se valer de técnicas jornalísticas americanas, como a entrevista, e de normas do jornalismo americano que punham a reportagem em primeiro lugar.

Mas será que o modelo americano de jornalismo não nega a verdade de que os supostos “fatos” não passam de opiniões disfarçadas? De que tudo é relativo e só depende de seu ponto de partida? Na primeira aula de filosofia da faculdade, a maioria dos calouros já vai dizendo que “tudo é relativo” e que o que o outro diz “não passa de opinião!” — que não há pesquisa, argumento ou discussão capazes de alterar nossas pré-concepções.

É por isso que são chamados de calouros. Se pararmos para pensar, nenhum desses estudantes realmente crê que tudo é relativo. Se, no meio da aula, um aluno desses sentir uma dor forte e aguda no peito, ele vai ficar preocupado. Suas opções serão perguntar ao professor de filosofia o que fazer, ouvir o conselho do aluno na carteira ao lado ou pedir a outra pessoa que chame o serviço médico de urgência. Qual vai escolher: A, B ou C? C. Vai buscar atendimento médico. A realidade parece estar batendo insistentemente à porta, e o compromisso prematuro com a tese universal de que “tudo é relativo” é rapidamente abandonado. Em questão de segundos, o aluno acredita em fatos, no conhecimento especializado, na formação científica, na experiência clínica. Seja relativista, modernista ou pós-modernista, de esquerda ou de direita, esse aluno vai buscar um médico o mais rápido possível.

Apuradores com reputação

Quando queremos saber o que está acontecendo no mundo nesse ou naquele dia, não ligamos para o 192. Recorremos a apuradores profissionais de notícias que têm reputação de serem confiáveis. Mas como saber que provedores de notícias a nossa volta merecem confiança? Considere a seguinte lista de indicadores de qualidade probatória:

1. Disposição de retratar-se, corrigir e implícita ou explicitamente pedir desculpas por informações equivocadas. O repórter da Time que erroneamente afirmou que o presidente Trump ou seus assessores tinham retirado o busto de Martin Luther King Jr. do Salão Oval da Casa Branca se retratou e corrigiu a matéria em questão de horas. É isso que fazem jornalistas e meios de comunicação responsáveis.

2. Ética profissional, o que inclui: 
– Ser exato. Grafe o nome corretamente. Dê o endereço certo. Não há espaço para “tudo é relativo” aqui. E redija um texto que conta o que aconteceu, não o que você acha sobre o que aconteceu.

– Buscar evidências em contrário. Na apuração, “vá contra suas próprias suposições”, dizem meus colegas da Columbia Journalism School aos alunos.

– Seguir em frente independentemente das consequências políticas. Se for um repórter, e não um propagandista, você seguirá a pista vislumbrada ainda que possa prejudicar a carreira do candidato ou do partido que você (pessoalmente) prefere ou que seu jornal apoia. O New York Times apoiou várias vezes a candidatura de Eliot Spitzer a um cargo eletivo em Nova York, incluindo sua campanha para governador em 2006. Mas foi o jornal quem primeiro expôs o escândalo sexual que levou Spitzer, já governador, a renunciar [o político foi denunciado por usar os serviços de uma rede de prostituição]. O verdadeiro repórter põe uma notícia veraz acima de vantagens partidárias ou de preferências políticas, seja qual for o preço.

3. Jornalistas confiáveis também adotam certos recursos literários identificáveis, como os seguintes:
– Exibir calma e ser declarativo. Nada de histeria.

– Apresentar vários lados ou pontos de vista em uma matéria caso o assunto seja controverso e (diferentemente do “falso equilíbrio”) se os distintos lados tiverem valores diferentes mas não forem divididos pelo reconhecimento de uma evidência científica consensual e pela sua rejeição.

– Identificar suas fontes sempre que possível. E reconhecer as lacunas, incongruências ou insuficiências nos dados que fundamentam sua matéria.

– Usar dados e fontes de dados comumente aceitos e autoridades fiáveis. Se for escrever sobre o número de pessoas que usaram o metrô em Washington no dia da posse de Barack Obama em 2009 e no dia da posse de Donald Trump em 2017 para saber qual foi maior, pergunte ao órgão de trânsito local, que possui essa informação. Se preferir ficar com a palavra do presidente Trump, saiba que você não é jornalista, mas otário. Trump demonstra reiteradamente que aceita dados favoráveis a ele e se nega a reconhecer todos os que não são. Vaidade pessoal não é uma fonte de dados comumente aceita.

– Investigar evidências e pistas que vão contra seu palpite, suas paixões e suas preferências e, quando essa evidência for irrefutável, dê a ela espaço adequado em sua matéria. O trabalho profissional de reportagem não é fácil. É uma atividade ainda jovem— não se pode dizer que exista em sua forma mais plena há muito mais de um século. Não é uma trajetória longa. Mas, em seus melhores momentos, provou ser um pilar de governos democráticos e transparentes e uma pedra no sapato de autocratas mundo afora. A fragilidade econômica dos meios de comunicação hoje é preocupante e, às vezes, leva organizações jornalísticas respeitadas a preferir cliques a consciência — mas jornalistas podem manter (e em geral o fazem) uma feroz lealdade a seus grandes ideais, e essa é uma força da qual seus inimigos não podem escapar. Quando o presidente Trump chamou a grande imprensa de “inimiga do povo”, muitos jornalistas reagiram com um esforço redobrado para cobrá-lo por suas palavras e seus atos. O jornalismo profissional em geral aprende rápido. É um “primeiro rascunho” da história, não a última palavra. Mas é o inimigo do orgulho, da pompa e da ignorância, e, portanto, um bom amigo do povo.

**

Michael Schudson é professor de jornalismo e sociologia (docente associado) na Columbia University. Publicou, entre outros livros, The Rise of the Right to Know (A Escalada do Direito ao Conhecimento) e, com C.W. Anderson e Leonard Downie Jr., The News Media: What Everyone Needs to Know (A Imprensa: O Que Todos Precisam Saber).

CONTINUE LENDO


Feliz Dia dos Pais

SER PAI

Ser pai é ser forte
Ser pai é ser nobre 
Ser pai é compreender 
Ser pai é ser você.

Ser pai é ser distinto
Ser pai é ser amigo 
Ser pai é não ter medo 
Ser pai é ser você

Ser pai é majestoso
Ser pai é está presente
Ser pai é assumir
Ser pai é ter você AQUI.
FELIZ DIA DOS PAIS

Ducarmo de Assis



Hiroshima lembra 72 anos da bomba, com apelo ao desarmamento nuclear

Homem reza por vítimas da bomba de Hiroshima durante cerimônia de homenagem no Japão (Foto: Kyodo/via REUTERS )

A cidade japonesa de Hiroshima lembrou neste domingo (6) o 72º aniversário do lançamento da bomba atômica que matou centenas de milhares de pessoas ao final da Segunda Guerra Mundial, com uma cerimônia na qual se apelou ao desarmamento nuclear global. O ato aconteceu no Parque da Paz desta cidade do oeste do Japão, situado perto do ponto central da devastadora explosão nuclear, e começou com um minuto de silêncio às 8h15 (horário local, 20h15 de sábado em Brasília). Essa foi a hora exata na qual o B-29 Enola Gay da Força Aérea dos Estados Unidos lançou no dia 6 agosto de 1945 o Little Boy, nome com o qual o primeiro artefato nuclear da história foi batizado. Após o minuto de silêncio, o prefeito da cidade, Kazumi Matsui, pediu a todos os líderes mundiais que apoiem o tratado adotado por 122 membros das Nações Unidas no começo do mês para proibir as armas nucleares, o primeiro deste tipo a nível global. "É o momento que todos os governos devem lutar para avançar rumo a um mundo livre de armas nucleares", afirmou Matsui, pedindo em particular ao Governo de Japão "que manifeste o pacifismo estabelecido pela sua Constituição e faça todo o possível por facilitar a adoção global do pacto".Tal acordo foi aprovado por quase dois terços dos países membros da ONU, ainda que tenham se mantido à margem todas as potências atômicas e muitos dos seus aliados, Japão entre eles, o que representa uma dúvida para o sucesso da iniciativa.



PF faz operação de combate à pedofilia na Bahia mais 13 estados

Foto: Reprodução Instituto Coaliza

A Polícia Federal cumpre, na manhã desta terça-feira (25), operação contra exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet em 51 cidades de vários estados brasileiros, inclusive na Bahia. De acordo com o G1, foram expedidos três mandados de prisão preventiva, 72 de busca e apreensão e dois de condução coercitiva, que é quando a pessoa é leva para prestar depoimento. As ordens judiciais estão sendo cumpridas no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Ceará, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Piauí, Pará e Sergipe. Segundo a PF, a investigação teve como base o monitoramento de um site russo utilizado como uma espécie de “ponto de encontro” de pedófilos do mundo todo.



Facebook vai cobrar do usuário para ler notícias

Foto: Montagem l 97News

Você vive caçando notícias para ler no Facebook? Prepare o bolso porque a empresa vai começar a cobrar dos usuários para ler notícias. A informação, que até pouco tempo atrás era boato, foi confirmada por Campbell Brown, diretora do Facebook. "Uma das coisas que ouvimos (…) de muitos jornais e publicações digitais é: 'Queremos um produto por assinatura — queremos poder ver um paywall no Facebook. E isso é algo que estamos fazendo agora", disse a executiva durante uma conferência em Nova York. A informação é do Olhar Digital.  O novo modelo de consumo vai funcionar com os Instant Articles, ferramenta que leva as notícias para dentro do Facebook em um formato mais suave. Ainda de acordo com o Olhar Digital, a ideia é deixar que os usuários leiam 10 notícias gratuitamente e comecem a pagar a partir daí.  De acordo com Brown, os testes iniciais da novidade serão abertos em outubro, caso haja sucesso nas tentativas, o produto vai funcionar de uma maneira mais expansiva em 2018.