ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Masha e o Urso: Espetáculo acontece nesta quinta dia 19 em Brumado

STF desmembra investigações sobre Geddel e Lúcio Vieira Lima

Imagens mostram garota recebendo revelação divina antes de ser morta em Simões Filho

Empresários brumadenses participaram do 20° Congresso dos Corretores de Seguros e do 4° Congresso Brasileiro de Saúde Suplementar em Goiânia

Operação de limpeza da areia e de entulhos das ruas de Brumado é iniciada nesta terça-feira (17)

Forte rajada de vento destrói porta de vidro ao lado da Uneb de Brumado e causa susto em universitários

AUCIB lança Edital de Convocação para criação de núcleo em Malhada de Pedras

Nota de Esclarecimento da Embasa

Zé Carlos de Jonas acompanha visita do governador em Dom Basílio e destaca sua satisfação com anúncio de inauguração da UTI e outras benefícios para Brumado

Mudanças aprovadas no Congresso vão impactar eleitores, candidatos e partidos

Membro da GCM de Brumado participa do XXVII Congresso Nacional de Guardas Municipais realizado no Paraná

Semana da Conciliação se iniciará no dia 20 de novembro

Vereador Elias Piau volta confiante de mais uma viagem a Salvador; Infraestrutura, Esporte e Abastecimento no topo da pauta

Brumado: Por falta de abastecimento da Embasa, Central de Marcação quase teve o atendimento prejudicado

Vitória joga bem, mas acaba cedendo o empate contra o Santos

'Nude' de procurador municipal no Whatsapp constrange prefeito de Ibirapitanga

Brasil: Número de mulheres presas é oito vezes maior em 16 anos

Violência: Casal é morto a tiros na tarde de hoje (16) em Vitória da Conquista

Brumado: Queda de sistema suspende cadastro de biometria do TRE e eleitores sofrem em fila

Brumado: Família procura por Edinha que está desaparecida desde a última quinta-feira (12)



BUSCA PELA CATEGORIA "Curiosidades"

Os algoritmos da realidade na atuação jornalística

Tobias Peucer é considerado autor da primeira tese sobre Jornalismo apresentada em uma universidade (Reprodução)

O ano era 1690. O tempo, também de mudanças políticas e sociais, quando, na Alemanha, Tobias Peucer apresentou sua tese de doutoramento que tratava sobre relações e relatos de novidades, ou, podemos dizer, sobre jornais e notícias. Dessa tese pode-se extrair a afirmação de que “não há nada que satisfaça tanto a alma humana como a história, seja qual for a maneira como tenha sido escrita”. A história só nos é dada a conhecer por meio da visão particular do historiador, muitas vezes pela sua interpretação dos acontecimentos históricos, já que nem sempre estaria presente na ocorrência dos fatos narrados. No mundo moderno, em que a tecnologia é o “olhar” dos historiadores modernos, principalmente por meio da fotografia e da televisão e, mais recentemente, por meio da web, o fato e o acontecimento que ocorrem não nos sãos perfeita e corretamente transmitidos. Por que isso? Não é somente a interpretação distante do historiador, mas a filtragem que a tecnologia permite e exige para informar sobre aquilo que está acontecendo. Some-se a seleção efetuada pelos que interferem na informação (fotógrafos, repórteres cinematográficos, editores, designers, etc.) e o que chega à população é uma realidade manipulada e com conteúdo ideológico, econômico, financeiro e social não necessariamente idêntico ao que de fato ocorreu. No mundo atual todos os que participam de uma rede social (no Brasil, por exemplo, cerca de 80% da população está nessa condição), também são produtores de conteúdo de informação. Narram o que veem no seu dia-a-dia e sob a sua ótica, sua cultura, sua compreensão, às vezes sob sua maledicência, sem que quem quer que seja possa colocar um filtro ético ou moral nesse conteúdo. O efeito junto ao receptor é inusitado, incerto e, não necessariamente, tem consequência positivas. O historiador americano Timothy Snyder, autor do livro “Sobre a Tirania”, sintetiza um alerta sobre esse risco de informação: “…um dos temas mais delicados atualmente é o acesso aos fatos. Fala-se muito em pós-verdade, pois as pessoas só leem na internet aquilo que comprova suas visões do mundo”. Para ele a democracia atual corre risco com essa questão, pois entendemos que pós-verdade é algo novo, pós-moderno. Não é. A pós-verdade tem suas origens no fascismo, conforme explica Snyder: “A mentalidade da pós-verdade era e é contra o Iluminismo, contra a ideia de que a razão deve governar a vida e a política”. Snyder complementa que a democracia necessita de confiança mútua, o que só é possível quando “se compartilha um mesmo mundo de fatos”, o que, a realidade de produção de conteúdo de forma livre não favorece e, sim, pelo contrário, dá condições para que se criem mundos baseados na própria verdade de cada um, com o olhar particular sobre os fatos e acontecimentos.

A atuação do jornalista

De qualquer forma, a principal finalidade do jornalismo é fornecer aos cidadãos as informações de que necessitam para serem livres e se autogovernarem, definição dos jornalistas norte-americanos Bill Kovach e Tom Rosenstiel. Nada mas essencial na sociedade moderna e atual, na qual ,comparativamente, o jornalista possui também uma visão muito particular, com a agravante de que, com a internet, ele passa muito mais tempo na tentativa de sintetizar o grande volume de informação a que tem acesso, sem que atue na busca própria do que é efetivamente a sua visão do fato ou do acontecimento. Em outras palavras, o jornalista atual é passivo e pouco procura saber da realidade que é sua responsabilidade narrar.

A forma de mudar isso seria o jornalista entender melhor o significado original de objetividade para dar mais solidez e concretude à informação. O jornalismo tem suas raízes intelectuais no Iluminismo dos séculos 17 e 18 e que pode se traduzir na ideia da Primeira Emenda da Constituição Norte-americana: no meio da diversidade de pontos de vista é maior a possibilidade de se conhecer a verdade. Estudiosos entendem que essa ideia permitiu a objetividade no trabalho jornalístico.

No caso específico do fotojornalismo, que também gera conhecimento, provoca sensibilização, contextualiza e incita a imaginação de que quem vê uma foto produzida no campo da realidade, visualiza o arranjo do seu espaço no mundo digital, de modo que sua dimensão informativa seja percebida e observada. A fotografia dos meios digitais é um suporte da informação imagética. Apesar de partir de padrões tradicionais, tenta construir uma nova maneira de prover conteúdo no ambiente limitado da internet.

Entretanto, a necessidade que os produtores de imagens fotográficas têm em atender às regras impostas pelas instituições para as quais trabalham e ao público que se utiliza das publicações dessas instituições para se informar, cria um discurso característico para cada publicação. Esse público, porém, precisa estar amadurecido para que reflita sobre a imagem que recebe e que lhe informa sobre uma realidade distante e não presencial.

A narração do fato

Muniz Sodré trata dessa questão em seu livro A narração do fato: “Há que se fazer a distinção entre fato e acontecimento, para demonstrar que o discurso informativo constrói e comunica, por meio da narração, as transformações e passagens no fluxo cotidiano”. Podemos interpretar isso como a maneira em chamar a atenção de que o jornalista é um mediador privilegiado, que constrói uma narrativa e entrelaça os fatos ao mesmo tempo em que envolve o público, prendendo os leitores e o tema, sob sua visão particular, no enredo de uma notícia.

Mesmo nessa condição privilegiada, o papel do jornalista auxiliar que o público consiga colocar as coisas dentro de uma determinada ordem. Por isso, o jornalista atua como um mediador ou “explicador” dos acontecimentos, o seja, para que assim atue, deve checar corretamente a informação e de forma a esgotar dúvidas, o que lhe dará condições de transmiti-la de forma ordenada, confiável, para eu o haja o correto entendimento do público.

Muniz Sodré explica que “a narrativa não é o relato do acontecimento, mas o próprio acontecimento, a aproximação desse acontecimento, o lugar onde este é chamado a se produzir, acontecimento ainda por vir e por cujo poder de atração a narrativa pode esperar, também ela, realizar-se.”

Sob essa ótica, o jornalismo, ao relatar o acontecimento, o faz com uma linguagem diferente da literatura. Evidente que segue os critérios que definem o valor-notícia ou o valor da notícia, ao qual se somam as questões da atualidade, proximidade, impacto, interesse público, relevância, intensidade, imprevisibilidade, entre outros.

Muniz Sodré chama a notícia de “economia da atenção” e a classifica como um produto. Como mercadoria, diz ele, a notícia tem um desenvolvimento modelar na imprensa norte-americana, país que considera a liberdade “uma garantia do direito civil de livre expressão e de representação da realidade cotidiana”. A notícia, além de transmitir os aspectos da realidade, é também capaz de criar uma realidade própria.

O fato seria uma combinação das unidades de resistência, de coisas. Só que, acentuamos, não é a própria coisa e sim uma objetivação conceitual da realidade dos fenômenos. E, ainda, há que se diferenciar o fato genérico (relativo a objetos e fenômenos) do fato social (relativo ao ser humano).

O fato torna verdadeiras ou falsas as proposições. Por isso, seu significado inclui as ocorrências e as ações. Em outro momento, Sodré explica que existe o conhecimento de fato e o conhecimento da consequência do que se afirma sobre determinada coisa. A ideia é indicar que os fatos são selecionados no cotidiano para que se possa fazer jornal e a notícia é um recorte que destaca o que compõe o acontecimento.

O fato pode ser provado na realidade. Sua representação social é o acontecimento (ou fato-histórico), com a diferença de que fato é, na verdade, uma elaboração intelectual e o acontecimento decorre da realidade.

Deleuze e Guattari explicam o que entendem por acontecimento: “não é absolutamente o estado de coisas; ele se atualiza num estado de coisas, num corpo, num vivido, mas ele tem uma parte sombria e secreta que não para de se subtrair ou de se acrescentar à sua atualização: ao contrário do estado de coisas, ele não começa, nem acaba, mas ganhou ou guardou o movimento infinito a qual dá a sua consistência”.

É o acontecimento que dá caráter de verdade ao fato e o transforma em notícia ou dá-lhe as características de notícia. O acontecimento não tem explicação racional, necessita de um enquadramento que permita estabelecer a delimitação de um campo e um fora de quadro. Esse, o quadro, determina o que deve ser visto, o que os americanos chamam de framing, um sistema de referência para dar sentido ao acontecimento. Nessa condição, o enquadramento midiático é a principal operação que, por meio da seleção e ênfase, constrói o acontecimento. Ou seja: os fatos ganham sentido com base na sua seleção e no tratamento dado a eles para a transmissão.

Arquembourg explica que “os acontecimentos são certamente fruto de um trabalho de constituição coletiva, mas eles imbricam também a participação de atores e de um público que não é apenas uma massa de consumidores de informações” para ressaltar que os jornalistas são, na verdade, atores que se mobilizam para a determinação dos fatos transformados em acontecimento midiático. Sodré explica que o “jornalismo dispõe de uma forma própria de conhecimento, construído a partir do que cada fato/fenômeno extraído da realidade social tem de singular”.

A singularidade é um tempo marcado pelo que chama de “aqui e agora” do cotidiano, captado pela forma com que se constrói o jornal. É esse “formato” singular do jornal que permite o diálogo que se trava entre lei e regra, sociedade e comunidade, impessoal e particular.

É, porém, parcial, pois deixa de lado as diferenças entre o que de real acontece e o que se traduz no acontecimento jornalístico, pois isso se desenvolve após o fato. Em resumo, o jornalismo pauta como singular apenas o acontecimento da atualidade e com base na visão particular de quem apura ou narra esse acontecimento.

O acontecimento precisa também ser compreendido sob a ideia do seu registro afetivo, não só com base na lógica argumentativa de suas causas. Isto significa incluir o lado sensível da situação, o que provoca nos sujeitos envolvidos o que disso poderá advir. Sodré explica: “em vez da mera transmissão de um conteúdo factual, se trata da conformação socialmente estética de uma atitude”, acrescentando que a comunicação do acontecimento mais influência do que comunica.

Enfim, Sodré entende ser difícil que o jornalismo atente para essa questão, pois já habituou as pessoas a consumir o que é apresentado, o que acarreta deixarem de perceber a realidade dos fatos do cotidiano, narrativas da história e das práticas humanas.

CONTINUE LENDO


Vira-lata que invadiu festa de casamento e deitou no véu da noiva acaba adotado por casal

(Fotos: Reprodução)

Um penetra roubou a cena na cerimônica de casamento de Marília Pieroni e de Matheus Martins, em Laranjal Paulista, no interior de São Paulo, no último dia 30. O animal deu rabalho aos organizadores antes mesmo da cerimônia começar, atrasando a noiva, e até entrou no lugar dela ao som da marcha nupcial. "Estava pronta dentro do carro e queria que começasse logo a cerimônia, mas não me deixavam sair. Fiquei irritada porque não gosto de atrasos. Depois pensei: 'Meu Deus, não querem que eu entre! Acho que o noivo sumiu'", contou Marília ao jornal Extra.  Como se não bastasse, o animal deitou em cima do véu da noiva no meio da cerimônia, que aconteceu em uma tenda, por conta das fortes chuvas. "Foi tão espontâneo, nem lembro direito o que eu falei, mas achei super bonitinho. Acho que ele percebeu que eu gosto de animais", acrescentou ela. Depois de chamar a atenção de noivos e convidados na cerimônia, o animalzinho não foi esquecido. Assim que retornou da lua de mel, o casal começou a procurar pelo cachorro para tirá-lo da rua. Uma mulher que mora próximo ao clube achou o vira-lata na segunda-feira e ficou com ele até que Marília pudesse buscá-lo. "Ele é um animal 'abandonado' que todo mundo cuida, dá comida. Só que ele fica na rua e acaba apanhando muito, também está muito magrinho. Tomara que ele goste da nossa casa, vamos fazer de tudo para ele ficar com a gente", contou ela. 



Brasil: Galo gigante é vendido por R$ 154 mil em leilão no interior de São Paulo

Foto: Arquivo Pessoal

Um galo da raça índio gigante foi leiloado por R$ 154 mil durante um encontro nacional que reuniu criadores da raça, em Guareí (SP). O animal mede 1,24 metro, tem 11 meses e chama Hokaido. O comprador Vagner Souza, produtor rural de Sorocaba (SP), disse que a compra foi um investimento que trará retorno financeiro para todos da família. Vagner disse que não se arrepende do valor investido. “Eu já sai de casa para ir ao encontro em Guareí com o pensamento que ia voltar com o galo. Já imaginava que ia sair caro por causa da raça e porque no encontro estariam muitos criadores do país todo. Minha família já estava ciente que ia pagar caro. É um valor bem alto, mas ele retorna rápido, porque com o galo conseguimos fazer inseminação e cada pintinho podemos vender por R$ 1 mil, sem contar na venda dos ovos. Então, valeu a pena mesmo a compra ter sido apenas de um galo. Não me arrependo não”, diz. O presidente da Associação Nacional de Amigos Criadores de Índios Gigantes (Anacig), Filipe Godinho, explica que o galo é considerado o maior do Brasil da raça índio e de crista bola. “O número de produtores e criadores de galo índio gigante cresceu muito no Brasil. Nesse encontro, que foi o segundo que organizamos, vieram mais de 100 criadores e de vários estados. E essa procura por esses animais é pelo fato da genética e retorno que proporcionam. Ano passado vendemos o galo da raça índio e crista bola por R$ 77 mil e a franga por R$ 42 mil. Este ano os valores foram maiores”, explicou Filipe.



Incrível: Conheça Ruhama, a pequena que intriga a Medicina

A pequena Rhuama irradia alegria por onde passa (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)

“Deram apenas 24 horas, mas ela se tornou um símbolo de vida”, vibra Haroldo Lucena, um carpinteiro de 51 anos, referindo-se à filha. Ele e sua esposa, Maricelma da Silva, 33,  são missionários católicos e pais dos gêmeos univitelinos (idênticos), Mateus e Ruhama. Em sua passagem por Brumado eles se hospederam no Hotel São Jorge, na Rua São Cristóvão, e, como vivem de doações para levar a Palavra aos quatro cantos do país, estão pedindo ajuda para colocar 4 pneus, aro 14, em seu veículo e seguirem viagem. O 97NEWS falou com o missionário Haroldo, e ele relatou um breve resumo de sua família. Emocionado ele declarou que "Mateus é uma criança normal, Ruhama apresenta uma má formação congênita que intriga a medicina". Realmente, à primeira vista, é fácil perceber que a síndrome ainda não diagnosticada pela ciência médica, mas isso não foi capaz de abalar a alegria que Ruhama, já que o brilho dos seus olhos manifesta uma alegria pura, que é acompanhada de um sorriso angelical. Ela nasceu sem o bulbo, porção inferior do tronco encefálico que estabelece comunicação entre o cérebro e a medula espinhal, relacionando-se com funções vitais como a respiração, batimentos cardíaco, pressão arterial e com reflexos como mastigação, fala, visão e coordenação motora. Ela veio ao mundo em 2012 e, desde o início, os médicos acreditavam que ela não ficaria viva mais do que um dia, mas, segundo a mãe, aquele foi o início de um milagre, já que, passados 6 anos, Ruhama ainda está viva e feliz.

Todos se interessam pela historia (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)

O drama começou em meados de 2011, quando o casal descobriu, ainda nos primeiros meses da gestação, que além de um embrião havia algo a mais na placenta da mãe. Os médicos descartaram a possibilidade de uma gestação bem sucedida de gêmeos. Apesar dos riscos e do medo, os pais optaram em continuar a gestação, descartando qualquer possibilidade de aborto. Foi então que, no dia 9 de fevereiro de 2012, após o parto de Mateus na Maternidade, a equipe médica constatou, que o feto mal formado respirava. Ninguém achava que aquela forma estranha de vida resistiria por mais de 24 horas, mas o bebê continuou reagindo. Ela vê, sorri, interage, balbucia, tem tato e coordenação nos pés e nas mãos. Seu desenvolvimento é bem inferior ao do irmão, mas ainda assim surpreende a todos e, principalmente, aos médicos. A família reside em Caicó, mas está em peregrinação pelo Brasil, mas fez uma parada em Brumado, já que o seu veículo não aguenta mais seguir viagem, por conta dos pneus. Durante a entrevista ao 97NEWS, Haroldo diz que sua filha é como uma lâmpada que sempre acendeu, mas que a gente depois descobre que não tem ligação de energia. A história ganha uma dimensão ainda maior, já que os pais tomaram uma decisão radical, venderam a casa em que moravam, em Caicó e partiram em direção a São Paulo numa Opala, ano 1987, com os dois recém-nascidos em busca da cura para a filha, porém, sem êxito na busca.

Rhuama e o irmão Mateus, um marco de amor e fé (Foto: Luciano Santos | 97NEWS)

“Chegar aonde ela chegou é maravilhoso. Nós não acreditávamos que ela ia sair da UTI.  Mas, ela foi o tempo todo uma guerreira. Mostrou que ia adiante. Começou alimentando-se por sonda. Depois passou a se alimentar normalmente, como o irmão e hoje não depende de nenhum remédio”, diz o pai que continua descrevendo que “as pessoas acham que a gente sofre muito. A gente passa dificuldade, mas sofrimento não. Afinal, a vida é o mais importante”, reflete Haroldo. A família agora sobrevive com doações e palestras que o casal realiza eventualmente sobre o caso da filha. Além disso, Ruhama recebe apoio financeiro de um salário mínimo do governo, mas isso é suficiente apenas para os gastos com remédios e alimentação. A meta maior da família neste momento é conseguir um tratamento no exterior para a menina. Mesmo diante de toda essas lutas, quando perguntados se são felizes, a resposta é unânime. “É só alegria”. Confira no vídeo abaixo o apelo do pai de Ruhama e dê a sua contribuição para essa família:



STF julga improcedente ADI contra dispositivo da lei que regulamenta profissão de nutricionista

Foto: Reprodução

Na sessão desta quinta-feira (28), por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou improcedente Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 803) que questionava a expressão “privativas”, contida no caput do artigo 3º da Lei nº 8.234/1991, que regulamenta a profissão de nutricionista. De acordo com a ADI, a expressão questionada seria incompatível com o artigo 5º (inciso XIII) da Constituição Federal, que assegura o livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, desde que atendidas as qualificações profissionais estabelecidas em lei relacionadas com a habilitação técnica pertinente. Além disso, salienta que o dispositivo exclui outras categorias profissionais – como técnicos de nutrição e médicos bioquímicos – do exercício de atribuições compatíveis com sua formação curricular, restringido com isso sua liberdade de trabalho. Em seu voto, o relator do caso, ministro Gilmar Mendes, salientou que a Constituição Federal, em seu artigo 5º (inciso XIII), ao permitir que se restrinja o exercício de determinadas profissões, está permitindo uma exceção à regra geral da liberdade de exercício de trabalho. Citando precedentes que tratavam da regulamentação de outras profissões, o ministro ressaltou que o Supremo já se manifestou no sentido de que para concluir pela restrição, o legislador deve atender ao critério da razoabilidade. No caso concreto, frisou o relator, a profissão de nutricionista requer conhecimentos técnicos e científicos para o desempenho de suas funções, o que leva à possibilidade de se reservar atividades de forma privativa para essa categoria profissional. O nutricionista, disse o ministro, realiza atividades eminentemente técnicas, que não se confundem com outras a serem desempenhadas por profissionais de nível médio, como o técnico de nutrição. Assim, o ministro Gilmar Mendes votou pela improcedência da ação, por considerar que o termo “privativo” constante da norma não é inconstitucional, desde que respeitado o âmbito de atuação profissional regulamentada por legislações específicas de outras profissões. Acompanharam o relator os demais ministros presentes à sessão, à exceção do ministro Marco Aurélio, que divergiu e votou pela procedência da ADI.



Tubarão-duende apavora redes sociais

Tubarão-duende se alimenta de peixes, lulas, camarões e outros moluscos (Foto: Reprodução/Facebook/The Ocean Portal)

Pense no animal mais bizarro que você já viu. Agora, multiplique por 10 e você vai chegar perto do que é o tubarão-duende. O animal, cujo corpo rosado e flácido pode chegar a até quatro metros de comprimento na fase adulta, está aterrorizando os sonhos de muitos. Isso porque, como é de se imaginar, o bicho não é nem um pouco bonito. Pelo contrário. E se engana quem pensa que o animal só está causando pesadelos por causa da sua aparência. Uma das principais características do tubarão-duende é a capacidade que ele tem de expandir a mandíbula na hora de atacar a presa.Essa “habilidade” lhe rendeu o apelido de Alien, em referência à série de filmes, que teve o primeiro longa rodado em 1979.  O aspecto rosado do corpo tubarão, aliás, é por causa da pele quase transparente, que deixa os vasos sanguíneos do animal à mostra. O animal raro – desde 1898 foram encontrados apenas cerca de 40 exemplares na natureza – vive a aproximadamente 1,2 mil metros de profundidade. Ele se alimenta de peixes, lulas, camarões e outros moluscos e já foi encontrado em águas brasileiras. Em 2011, pescadores encontraram um tubarão-duende no litoral do Rio Grande do Sul. O bicho foi doado para o Museu Oceanográfico da Fundação Universidade Federal do Rio Grande.



Popó promete a filho gay subir em ringue com a música K.O. de Pabllo Vittar

(Fotos: Reprodução)

Após revelar que tem um filho homossexual, o ex-pugilista Popó Freitas anunciou que em sua próxima luta, ele subirá ao ringue ao som de uma música da cantora drag queen Pabllo Vittar. Ele fez a promessa para o filho Juan em entrevista ao Conexão Repórter, da emissora SBT. "Em homenagem a todos os trans, todos os gays, todos os heteros, todos juntos, eu vou subir no ringue com a música K.O.", garantiu o ex-lutador. O baiano, de 41 anos, é pai de seis filhos. Ele afirmou que antes não tinha desconfiado da orientação sexual do filho. "Sempre criei meus filhos como homem e serão a mesma pessoa para mim o resto da vida. Chamei para conversar e ele disse que ainda não tinha se identificado, que sentia atração por meninos. Pouco tempo depois disso, me apresentou namorado", disse ao programa "Sensacional", da RedeTV.



Idoso morre de infarto após ganhar carro de R$ 160 mil em bingo beneficente

(Fotos: Reprodução)

O aposentado Moisés Martins de Oliveira, que faria 63 anos nesta terça-feira, morreu logo após completar a cartela de um bingo e ganhar uma caminhonete Toyota Hilux, avaliada em R$ 160 mil. Morador de Marataízes, ele participava de um evento no Parque de Exposições de Itapemirim, no sul do Espírito Santo, na noite de domingo, quando passou mal após ganhar o premio. Acompanhado do neto de 10 anos, Moisés desmaiou no meio da multidão de dez mil pessoas e foi levado a uma ambulância, mas morreu vítima de um infarto. O aposentado foi sepultado na tarde de segunda-feira (11) em Cachoeiro de Itapemirim, onde morou ao longo da maior parte da sua vida. Segundo Pascoal Inácio Neto, sobrinho do aposentado, Moises mudou com a mulher para Marataízes, uma cidade litorânea do Espírito Santo, depois que parou de trabalhar. “A família só soube da morte depois que o neto ligou, por volta das 21h de domingo, para a mãe avisando. Foram apenas os dois para o evento. O menino acabou ficando sozinho na cidade, que fica a 20 quilômetros de Marataízes, e a 70 de Cachoeiro de Itapemirim, onde os filhos moram”, disse Pascoal. Moiseis foi sepultado na tarde de segunda-feira em um cemitério de Cachoeiro de Itapemirim. Ainda segundo o sobrinho, o aposentado não tinha histórico de doença cardíaca. Pelos relatos, Moises passou mal no momento em que marcou o último número da cartela. O automóvel ficará para a família: “Já foi decidido. O prêmio será entregue à família. A minha prima, uma das filhas dele, receberá o automóvel.O evento em Itapemirim, que era beneficente, foi organizado pela Paróquia Nossa Senhora do Amparo, que fica em Itapemirim. Ontem, a paróquia publicou em sua página no Facebook, uma nota de pesar: “A Paróquia Nossa Senhora do Amparo, em Itapemirim, ao tempo em que reza pelo descanso eterno de Moises Martins de Oliveira ganhador da Hilux, em sorteio beneficente, se solidariza com todos aqueles que o conheceram e de modo particular manifesta afeto e solidariedade aos seus familiares e amigos. Que Maria, Virgem do Amparo, interceda junto ao seu Filho Jesus pelo repouso eterno deste nosso irmão.” As informações são do Extra.

 

 



As revelações de Deborah Secco: Traí, sim, e daí?

(Ernani d’Almeida/VEJA)

Intérprete de mulheres sensuais e arrebatadoras em novelas e protagonista de amores incendiários na vida real, a atriz Deborah Secco, de 37 anos, passou boa parte da existência no olho do furacão. Aí, teve a filha Maria Flor, hoje com quase 2 anos, e engatou uma rotina mais pacata — até sacudir recentemente a internet com a informação de que traiu todos os homens com quem se relacionou (menos, é claro, o atual, Hugo Moura, aspirante a ator e pai de Maria Flor). Deborah ficou chocada com a fuzilaria de críticas, principalmente aquelas vindas de mulheres — a maioria, por sinal. Em VEJA desta semana, Deborah diz que o amadurecimento a liberou a “falar de tudo”. Abaixo, um trecho da entrevista.

Acha isso o.k.? Não me orgulho, mas não vou mentir. Não tenho necessidade de ser vista pelos homens como gostosinha, bonitinha e boazinha. Se algum quiser ficar com outra para não ser traído, que seja feliz. Comigo é vida real. É terrível ver mulheres que só são fiéis porque acham que é o certo. Isso é muito retrógrado. Quem quiser trair, que traia.

Como foi a reação à sua confissão? O que mais me chocou foi ver que as maiores críticas vieram de mulheres. É inadmissível que em 2017, com o enorme movimento pela liberação feminina, 90% das que comentaram o fizeram para se pronunciar contra mim. É muito triste que as mulheres não se defendam, não lutem pela liberdade mínima de aceitar que a gente pode, sim, trair o homem. Como os homens traem a gente.



Sonia Abrão ‘dá barrigada’ e noticia falsa queda de avião do cantor Leonardo

(Fotos: Reprodução)

Na manhã desta sexta-feira (08), o vídeo de uma suposta queda do avião do cantor Leonardo, em uma praia no nordeste, começou a circular pela web. Rapidamente a notícia falsa viralizou e levou jornalistas experientes como Sonia Abrão a cairem no erro de publicar uma fake news. A apresentadora do A Tarde é Sua, na RedeTV!, compartilhou em seu perfil no Instagram parte do vídeo e a legenda: “Cai avião com o cantor Leonardo. Ele está vivo”. Sonia informou que o vídeo havia sido postado por Felipeh Campos. Não é a primeira vez que Sonia Abrão cai em pegadinhas. Em 2015 ela repercutiu a falsa morte do ator Paulo Silvino e recentemente, ela também se equivocou ao compartilhar a falsa morte do cantor Arlindo Cruz. No suposto vídeo, que chegou até nós e você confere abaixo, aparecem imagens de uma praia e um avião que caiu no mar, na areia uma das vítimas com aparência física semelhante ao Leonardo, o que bastou para a boataria rolar solta. Mas ao checarmos a agenda do cantor e suas atividades nas redes sociais verificamos que não havia relação com o artista e ficou confirmado que é uma notícia falsa. Leonardo faz show pela região sul do Brasil e através de sua assessoria desmente definitivamente a informação. “Levamos o maior susto, a família dele também. Mas ele está bem, está em um hotel em Porto Alegre e vai voltar para Goiânia daqui a pouco no avião dele”, disse Ede Cury, assessora do artista.



Cachaça e rapadura de Paramirim ganham o mundo

O empresário Edvaldo Antonio Brasil, proprietário da Cachaça Paramirim (Foto: Carlos Silva | 97NEWS)

O Sertão tem suas magias, encantos e maravilhas e, todo bom sertanejo gosta de comer uma velha e boa rapadura, como também degustar uma cachaça de qualidade. A região sudoeste tem vários exemplos nesse sentido, onde os "fortes" como classificou o imortal Euclides da Cunha, mostram a sua garra e pujança em notáveis exemplos de superação. O apresentador Carlos "Kaká" Silva, que é um apaixonado por motocicletas e viaja o Brasil participando de encontros do setor, esteve, desta feita participando do 2º Aniversário dos Irmãos Estradeiros que aconteceu no município de Paramirim neste final de semana. Sempre buscando novidades, "Kaká" está trazendo para o 97NEWS mais um grande exemplo da garra sertaneja, desta feita do empresário de agronegócios Edvaldo Antonio Brasil (47), o qual produz rapadura e cachaça artesanal. Com uma alta qualidade, os produtos já ganharam o mercado nacional sendo vendidos em várias regiões do país. A cachaça que é envelhecida em barris de carvalho escocês é um grande sucesso, tanto que já é exportada para o Mercosul, Europa e Estados Unidos. A produção de rapadura já oferece emprego e renda para várias famílias e, além da tradicional, conta também com diversificações como a de abacaxi, gengibre e amendoim, que aumentaram ainda mais o leque de vendas. Outro produto que chama a atenção é o "frozen" de cachaça, uma espécie de "geladinho" de aguardente. Com 20 anos de atividade, Edvaldo é uma prova que nada resiste à força do trabalho. Confira o vídeo abaixo feito pelo apresentador Carlos "Kaká" Silva:



Seu vizinho é barulhento? Veja o que pode ser feito para ter a sua paz de volta

Convívio em condomínio deve ser facilitado por regimento interno e consciência do direito do outro | Editoria de Arte | Ag. A TARDE

No começo deste ano, os vizinhos do andar de cima da auditora fiscal Tânia Cardoso, 56, se mudaram: foi o fim de uma odisseia barulhenta que durou 15 anos. "Desde a época em que meu filho nasceu eles já faziam barulho. Construíram uma academia em cima do quarto dele quando ainda era bebê. Eles deixavam os pesos caírem de qualquer jeito", conta. O problema piorou quando a família começou a fazer encontros com amigos. "Eram festas, jogos, conversas altas e palavrões. Foi uma via crucis, chegamos a pensar em nos mudar", conta a auditora, que interfonava para os vizinhos barulhentos e reclamava do problema repetidamente na portaria, chegando até a relatar o ocorrido por escrito aos outros moradores. O advogado condominial e síndico profissional Alexandre Almeida, sócio da Elitte Síndicos Profissionais, acredita na conciliação para resolver problemas como o de Tânia. "Existem muitos condomínios em que o síndico quer atuar como se tivesse poder de polícia: quer que o porteiro vá lá e desligue o som, e não é assim que se resolve, ainda mais em uma festa. As pessoas podem estar alcoolizadas e ter confusão", avalia. Almeida considera que não diz respeito ao síndico tomar parte em problemas envolvendo vizinhos específicos, que não atinjam a coletividade. "Não cabe ao síndico atuar nesse ramo, porque se [o barulho] é dentro do apartamento e só afeta um ou outro vizinho, é um problema entre vizinhos, então cabe à parte prejudicada tomar providências", diz. Segundo o advogado, as pessoas tendem a delegar o impasse à administração ou à portaria. "Os moradores acham que o síndico é juiz do prédio e acabam terceirizando um problema que é deles para a administração, sem tentar contato com o vizinho, por medo de como o outro vai reagir. Muitas vezes a pessoa que produz o barulho não percebe, então tem muita falta de comunicação também", pontua.

O ator Heraldo Borges, 30, escolheu não arriscar conflitos com os vizinhos barulhentos. Na rua onde mora, em um bairro na periferia de Salvador, eles são um problema constante. "É música, som alto, não respeitam o horário do silêncio (entre 22h e 7h, de acordo com a lei municipal nº 5.354/98). Tocam desde arrocha até Olodum, de segunda a sexta, não importa se tem festa ou não", reclama Borges. O ator, que optou por não falar diretamente com os vizinhos, relata já ter feito denúncias à prefeitura, mas nunca viu nenhuma providência ser adotada. A Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), responsável por demandas de poluição sonora, afirmou, em e-mail à reportagem, que "a prefeitura não pode adentrar a residência, ainda que o som esteja muito acima do índice permitido, sem que haja uma autorização por parte do morador". Quando não há permissão, é feita uma medição do ruído na casa do próprio denunciante. Se o excesso de barulho for confirmado, a pessoa pode, segundo a Semop, prestar queixa em uma delegacia ou no Ministério Público. A escolha de Borges em evitar o conflito direto está de acordo com o que o presidente do Sindicato da Habitação da Bahia, Kelsor Fernandes, recomenda. "Eu não aconselho a ninguém que vá bater na porta do vizinho. Tem que ser via condomínio, para evitar um litígio pessoal", alerta. Em locais onde há síndico, ele acredita que este deve notificar o vizinho barulhento. Tanto Fernandes quanto Almeida ressaltam, no entanto, que é difícil não ter problemas com barulho ao viver em grupo, e pontuam a necessidade de se pensar no coletivo. "Além disso, os processos [judiciais] são difíceis, porque ninguém quer testemunhar, para não se meter no problema", conclui Almeida.

CONTINUE LENDO


Como acompanhar o eclipse solar de hoje (21)

Jovem vende óculos especiais para observação em cidade americana - Curtis Compton / AP

No Brasil, moradores de alguns estados das regiões Norte e Nordeste poderão acompanhar o eclipse parcialmente, sendo Macapá o melhor ponto de observação entre as capitais. De acordo com as previsões, os macapaenses poderão ver a Lua cobrindo 40,9% do Sol, com início do eclipse às 16h09m e pico às 17h09m. Moradores de Boa Vista, Belém, São Luís, Teresina, Fortaleza, Natal, João Pessoa e Recife poderão ver entre 30% e 40% do Sol coberto. Em Salvador, a cobertura será de 12,6%, e, em Brasília, apenas 2%. Estados mais ao Sul, incluindo o Rio de Janeiro, ficam fora da faixa. Os horários exatos do fenômeno podem ser conferidos no site Time of Date Os eclipses totais do Sol não são exatamente raros. Eles acontecem aproximadamente a cada dois anos, mas a faixa de totalidade é estreita e curta. O último visto do Brasil aconteceu em março de 2006, cobrindo uma pequena região do Nordeste, entre os estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. A próxima vez será em agosto de 2045. Em 2 de julho de 2019, um eclipse total vai cruzar o Chile e a Argentina, sendo visto parcialmente das regiões Sul e Sudeste, incluindo o Rio de Janeiro. O fenômeno se repetirá em 2020. Os pesquisadores lembram que, seja no eclipse total ou parcial, é preciso cuidado na observação. Nunca se deve olhar diretamente para o Sol sem proteção — velhos negativos de filmes fotográficos e chapas de radiografias não funcionam para a proteção adequada. Estudos indicam que menos de 30 segundos de observação direta podem ser suficientes para provocar danos permanentes na retina, incluindo a cegueira. E o uso de binóculos ou telescópios potencializam os riscos.O método mais seguro de observação é por projeção. Para isso, basta abrir um pequeno orifício num pedaço de papelão e direcioná-lo para o Sol. A luz penetra no buraco e projeta uma pequena imagem do eclipse num anteparo paralelo ao papelão.

 

Técnica de projeção permite a observação segura do eclipse solar Foto: Sergei Grits / AP


Cachaças artesanais da Bahia conquistam destaque na produção associada ao turismo

Foto: Daniel Meira

Bebidas artesanais produzidas na Bahia são destaques da Exposição de Cachaças no Nordeste, realizada durante a Exporural, que segue até domingo (20), no Parque de Exposições de Salvador, com apoio da Secretaria do Turismo do Estado (Setur). Mais de 20 marcas de cachaça produzidas no estado estão à mostra para degustação e venda. Em visita à exposição, na noite desta quarta-feira (16), o secretário estadual do Turismo, José Alves, falou sobre o emprego de produtos típicos da Bahia na cadeia do turismo como alternativa para geração de renda para comunidades baianas. “Trabalhamos a Produção Associada ao Turismo com a intenção de promover o fornecimento de produtos regionais, como a cachaça, a hotéis, pousadas, bares, restaurantes e lojas de suvenires”, explicou Alves, que estuda o pedido dos produtores para incluir a bebida em ações de promoção do destino Bahia. De acordo com o empresário Raimundo Freire, a Bahia conta com 25 produtores legalizados, que oferecem cachaças de alta qualidade. Entre os destaques da produção baiana estão cachaças Rio do Engenho e Matriarca, dos municípios de Ilhéus e Medeiros Neto, respectivamente, bem como a Serra das Almas, de Rio de Contas, que é conhecida como primeira cachaça orgânica do país.



'Formatura do Miojo' termina em pancadaria; assista

(Foto: Reprodução)

O que era para ser a noite das melhores lembranças tornou-se uma sucessão de pesadelos para os formandos do curso de Enfermagem de uma faculdade particular de São Luís (MA), no último sábado (12). A festa de formatura se tornou um caos quando toda a comida acabou antes da meia-noite. Isso fez com que a organização do evento chegasse a servir miojo com refrigerante para os convidados. A situação esquentou a tal ponto que garçons foram ameaçados, convidados brigaram entre si e até mesmo cadeiras e mesas voaram pelo salão. Segundo os estudantes, o contrato firmado com a agência contratada para organizar a formatura, a Momento Único Eventos, estabelecia que comidas e bebidas seriam fornecidas até as 2h. Vídeos da confusão se espalharam pelas redes sociais. Ainda de acordo com os formandos, os representantes da agência teriam saído do local da festa, a Casa Branca Espaço e Gourmet, para comprar mais produtos a serem servidos, mas não foi suficiente. Em nota, o espaço de festas afirmou que seu contrato previa apenas locação da área física. Todos os demais serviços — seguranças, buffet, brigadistas, decoração, cerimonial, foto, filmagem, banda e gerador — estavam a cargo da Momento Único Eventos, que não retornou as ligações da reportagem. Os alunos pretendem entrar com um processo contra a empresa. Assista ao “fuzuê”:



‘Anonimato é relativo’, alerta advogado sobre funcionamento do Sarahah

Interface do Sarahah para Android (Foto: Ana Marques/TechTudo)

Sarahah é um aplicativo de mensagens anônimas que virou febre em mais de 30 países, incluindo o Brasil. Polêmico por não revelar os dados de quem envia feedbacks, a app acaba se tornando um prato cheio para criminosos que praticam cyberbullying. O funcionamento do serviço é bem simples: ao criar um perfil e divulgá-lo na Internet, o usuário pode receber comentários anônimos, sem a opção de respondê-los. Apesar de ter um objetivo nobre – o recebimento de críticas construtivas –, pessoas mal-intencionadas aproveitaram a sensação de anonimato para propagar mensagens de ódio e até mesmo ameaças pelo aplicativo. O que muitas vítimas não sabem é que é possível exigir a quebra de sigilo e identificar o remetente de um comentário em situações que violem a lei.  Para entender até que ponto as mensagens enviadas pelo Sarahah são anônimas, conversamos com o advogado Luiz Augusto D'Urso, especialista em cibercrimes. Ele afirmou que, apesar de ter base na Arábia Saudita, o Sarahah – e qualquer outro serviço online que funcione em território brasileiro – deve seguir as leis do nosso país. Segundo o Marco Civil da Internet (lei que regula o uso da rede no Brasil), qualquer pessoa que se conecta à internet deve ser identificada pelo número de IP e horário de acesso. Desse modo, mesmo cadastros feitos com e-mails e nomes falsos podem ser rastreados, garantindo maior proteção contra cibercrimes. Isso quer dizer que, na prática, o anonimato do Sarahah e outros aplicativos similares, como o Secret é relativo – e pode ser derrubado em casos de crimes virtuais.



Eclipse solar irá cobrir o sol completamente nos EUA; veja como será no Brasil

Eclipse solar é visto em 26 de fevereiro de 2017 em Coyhaique, no Chile (Foto: REUTERS/Stringer)

Em 10 dias, no dia 21 de agosto, os moradores de uma faixa de terra dos Estados Unidos verão um sol negro. É o eclipse solar total, um dos fenômenos mais aguardados pela agência espacial americana (Nasa) neste ano. No Brasil, ele será visto de forma parcial -- quanto mais ao Norte, mais coberto estará o sol. A última vez que a maioria dos norte-americanos experimentou um eclipse total foi em 1991. Neste ano, de acordo com a Nasa, o fenômeno poderá ser observado por 500 millhões de pessoas de forma total ou parcial: 391 milhões nos Estados Unidos, 35 milhões no Canadá e 119 milhões no México (além da América Central e parte da América do Sul). O trecho mais intenso para a observação vai de Lincoln Beach, em Oregon, até Charleston, na Carolina do Sul. Nesta região, o sol ficará completamente preto durante pouco tempo: 2 minutos e 40 segundos -- a transição completa será de mais de 4 horas.  A expectativa está grande. Milhares de hoteis estão lotados na faixa de terra que ocorrerá a escuridão e eventos estão com ingressos esgotados há meses. A pesquisa "eclipse 2017" no Google produziu mais de 35 milhões de acessos. No topo do Brasil, no monte Caburaí, o eclipse será parcial: cerca de 50% de escuridão. O trecho contemplado pela penumbra chega até Brasília, mas com apenas 1,96%. Nestas regiões com baixo índice, os observadores podem, talvez, notar apenas uma diminuição do brilho do sol.  Este é o segundo e último eclipse registrado neste ano: o primeiro ocorreu em 26 de fevereiro. Era do tipo anular, quando há uma faixa de luz ao redor do sol, formando uma espécie de um "anel de fogo". Ele foi visto no Pacífico, no Chile, na Argentina, na África. Em 2018, a Terra não terá eclipses totais -- em que o sol é totalmente coberto. O próximo ocorre em 2 de julho de 2019 e mais perto: terá mais abrangência no Brasil e seu trajeto de escuridão será na América do Sul. 



Campus Party: Estudantes de Vitória da Conquista vencem etapa baiana da Olimpíada de Robótica

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Um protótipo construído do zero deu a quatro estudantes de Vitória da Conquista o primeiro lugar na etapa baiana da Olimpíada Brasileira de Robótica, na categoria Maker. O evento faz parte da Campus Party Bahia, que acontece até este domingo (13), na Arena Fonte Nova. Com idades entre 14 e 18 anos, os adolescentes são alunos do Ensino Fundamental II do Centro Juvenil de Ciência e Cultura do município. "Eu achei difícil, a gente estava tentando fazer o robô, tinha hora que não dava defeito, mas foi muito legal", afirmou Inácio Castro, de 14 anos, sobre a experiência. Os estudantes concorreram com o robô "Bug", feito com materiais recicláveis que custaram, no total, R$ 60. "A gente começou com uma caixinha de DVD de computador. A gente desmontou toda e teve que cortar para diminuir. Aí pegou o mesmo motor que fazia a bandeja sair e usou", explicou Ítalo Pereira, de 18 anos. Os colegas Hafik Souza e Leonardo de Oliveira também fizeram parte da equipe vencedora. Para o professor Renato Costa, a vitória é fruto exclusivamente do esforço dos alunos. "Eu me sinto muito feliz, mas o Centro Juvenil foi criado com esse intuito, do aluno ser protagonista. Então, o mérito é dos meninos", pontuou.



Fisiculturista dá “mortal” em apresentação, quebra o pescoço e morre

Sifiso Lungelo Thabete era campeão mundial da Federação Internacional de Fisiculturismo. Ele morreu na hora, diante de centenas de pessoas (Fotos: Reprodução)

Um fisiculturista morreu quando tentava realizar uma acrobacia para animar a plateia durante uma competição na África do Sul. Ele quis dar um “salto mortal para trás”, mas caiu no chão de mau jeito e teve o pescoço quebrado pelo impacto da queda. A tragédia aconteceu no sábado, segundo sites de notícias como o britânico “Daily Mail”. Natural da região de Umlazi, Sifiso Lungelo Thabete era campeão mundial da Federação Internacional de Fisiculturismo (IFBF, na sigla em inglês) na categoria de 75 kg. As imagens da morte do sul-africano, gravadas durante o evento, estão circulando pelas redes sociais.



Chuva de meteoros vai iluminar os céus neste fim de semana

Chuva de meteoros Perseida fotografara ano passado, na Espanha - Manu Fernandez / AP

Quem estiver acordado durante a madrugada deste sábado para domingo pode ter uma grata surpresa ao olhar para o céu. Está previsto para este fim de semana o pico da chuva de meteoros Perseidas, com previsão de até 80 meteoros — conhecidos popularmente como estrelas cadentes — por hora. O fenômeno acontece anualmente, quando a Terra cruza uma região do espaço repleta de fragmentos deixados pela passagem do cometa Swift-Tuttle, que visita o centro do Sistema Solar a cada 133 anos.Das chuvas de meteoro que eu conheço, essa é a mais brilhante e bonita, com muitos objetos entrando na atmosfera — comentou o astrônomo Carlos Veiga, do Observatório Nacional. — Como o Swift-Tuttle é uma cometa grande, as partículas são maiores e geram maior brilho. Entretanto, a chuva Perseidas é melhor observada do Hemisfério Norte: “Basta olhar para o alto para ver os meteoros”, explica Veiga. Teoricamente, o fenômeno pode ser observado até a latitude 31S, aproximadamente a altura de Porto Alegre, mas quanto mais ao Sul, menor a chance de observação. De acordo com o astrônomo, moradores das regiões Norte e Nordeste terão melhores condições de testemunhar o espetáculo. Para isso, devem olhar para o horizonte na direção Norte. Usar um aplicativo de observação do céu, como o Sky Map ou o Sky View, facilita a localização da constelação de Perseus, onde os meteoros se concentram. — Perseus é uma constelação característica do Hemisfério Norte. Do Brasil, ela pode ser vista quase na linha do horizonte — explicou o astrônomo. — Mesmo assim é muito bonita. Se o tempo estiver bom, vale a pena esperar acordado. A passagem da Terra pela nuvem de poeira do Swift-Tuttle começou no dia 17 de julho e dura até o próximo dia 24, mas o pico acontece neste fim de semana. Para melhor observação, o recomendado é uma região escura, longe das luzes das metrópoles. Infelizmente, a semana da lua cheia coincidiu com a chuva Perseidas, o que também atrapalha a observação. Apesar do grande número de meteoros, os riscos de que algum fragmento sobreviva chegue a tocar o solo são pequenos. Diferente dos asteroides, que são compostos por metais, os cometas são compostos por minerais, que dificilmente sobrevivem à entrada na atmosfera da Terra.