ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brasil registra mais de 35 mil mortes por covid-19 e ultrapassa mil óbitos nas últimas 24 horas

Homem de 40 anos é encontrado morto na zona rural de Guanambi

Covid-19: Brumado registra 47 casos confirmados, 28 em tratamento, um óbito e quatro pacientes internados

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Brumado: Homem é alvejado com vários disparos de arma de fogo no bairro Santa Tereza

2ª parcela do vale-alimentação estudantil começa na segunda-feira (8)

Eclipse lunar acontece nesta sexta-feira (5) e pode ser acompanhado no Brasil

Brumado: MP abre inquérito para pacientes com Covid-19 que não estão cumprindo medidas de isolamento

Brumado: Confirmada primeira morte por coronavírus no munícipio

Brumado: Servidor público tem CPF cadastrado ilegalmente no auxilio emergencial do Governo Federal

Vacina brasileira contra a Covid-19 começa a ser testada em animais

Prints e conversas do whatswpp sem autorização judicial é ilegal

Sesab confirma 14.243 casos ativos da Covid-19 na Bahia; número de óbitos se aproximam de 800

Municípios baianos têm até dia 8 deste mês para informar gastos com pandemia

Prefeitura de Caetité lança programa de ajuda emergencial a artistas

RHI Magnesita mantém ciclo sustentável de alto impacto em Brumado

Bolsonaro publica MP que permite repasse de R$ 60 bilhões em ajuda a estados e municípios

Covid-19: Brumado passa a ter 28 casos ativos da doença e 1.335 notificações

RHI Magnesita distribui máscaras de tecido em Brumado

Brumado: Após pacientes testarem positivo para a Covid-19, nefrologista destaca protocolos no Instituto de Nefrologia



BUSCA PELA CATEGORIA "Brasil"

Brasil registra mais de 35 mil mortes por covid-19 e ultrapassa mil óbitos nas últimas 24 horas

Foto: Reprodução

Ao chegar oficialmente a 35.026 mortes decorrentes da covid-19, só nas últimas 24 horas, foram registradas mais 1.005, o Brasil tem mais óbitos do que os causados pela gripe espanhola, que enterrou milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil, entre 1918 e 1920, deixou pouco mais de estimados 35 mil mortos em uma nação que amargava a chamada República Velha. As informações são do site UOL. Há cem anos fomos atingidos de forma periférica pela gripe, mas agora estamos no epicentro da crise, com 645.771 casos da doença causada pelo coronavírus, atrás apenas dos EUA (1.890.592, segundo a Universidade Johns Hopkins). Os norte-americanos (108.920) e o Reino Unido (40.344) estão à frente em número de mortes. Se hoje o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) minimiza a doença, em 1918 o responsável pela saúde pública no país, o sanitarista Carlos Seidl, afirmava que a gripe espanhola era "só mais um resfriado". Fake news e remédios milagrosos também se repetem com impressionante semelhança. Até sexta-feira (5), quase 393,4 mil pessoas morreram vítimas da doença, 0,005% da população mundial atual. Até a mesma data, aproximadamente 6,7 milhões foram diagnosticados com a doença. No Brasil, com uma população de 200 milhões, já são 35.026 mortos.



Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Foto: Luciano Santos l 97News

A partir de segunda-feira (08), as agências dos Correios serão uma opção para quem quer fazer o cadastro para receber o auxílio emergencial do governo, benefício de R$ 600 mensais pago a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados para amenizar os impactos do isolamento social adotado devido à pandemia do novo coronavírus. Trata-se da realização de cadastro presencial ao cidadão que queira solicitar o Auxílio Emergencial do Governo Federal para enfrentamento das ações de combate à pandemia causada pelo novo coronavírus, bem como a Consulta do resultado da análise à concessão do benefício, após o prazo mínimo fixado. Para solicitação do serviço, o cliente deve apresentar os documento oficial de identificação, com foto, em que conste também o nome da mãe do beneficiário; Cadastro de Pessoa Física (CPF) do usuário e dos membros da família que dependem da renda do titular. Dados bancários ou documento de identificação (RG, CNH, Passaporte, CTPS, RNE e CIE) para solicitar abertura de Conta Social Digital.



Eclipse lunar acontece nesta sexta-feira (5) e pode ser acompanhado no Brasil

Foto: Reprodução l Agência Brasil

Um eclipse lunar vai acontecer nesta sexta-feira (5) a partir das 15h com 3 horas de duração, 18 minutos e 13 segundos e poderá ser acompanhado em regiões do Brasil, Europa, África, Ásia e Austrália. O processo todo deve terminar às 18h04, segundo informações do site Space. Por se tratar de um fenômeno penumbral, o que poderá ser visto é um sombreamento da lua quando o seu ápice acontecer, o auge está previsto para às 16h26. Por conta dessa fato, pode não ser possível visualizar a olho nu o fenômeno. Ao todo, quatro eclipses penumbrais vão acontecer neste ano. O primeiro foi em janeiro e foi o mais intenso e perceptível. Os próximos são em 5 de julho e 30 de novembro, os dois últimos serão totalmente visíveis do Brasil. Em 30 de novembro, um eclipse penumbral acontece novamente.



Bolsonaro publica MP que permite repasse de R$ 60 bilhões em ajuda a estados e municípios

Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro editou na quinta-feira (4) a medida provisória (MP) que autoriza o repasse de R$ 60,18 bilhões para estados e municípios, como uma ajuda financeira para reduzir os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus. O texto abre um crédito no Orçamento de 2020 para o repasse do valor, que deverá ser transferido aos governos locais em quatro parcelas, segundo o G1. Por ser uma medida provisória, o texto entra em vigor imediatamente e já permite que a operação de transferência seja efetuada pelo Ministério da Economia. Se não for aprovado pelo Congresso em 120 dias, a proposta perde validade. O projeto de lei com as regras do auxílio financeiro foi aprovado pelo Congresso Nacional em 6 de maio, mas o presidente Jair Bolsonaro só publicou a sanção do texto no "Diário Oficial da União" em 28 de maio. Além da medida provisória editada nesta quinta, o governo federal aponta como "gargalo" para a transferência dos recursos a retirada das ações judicias de prefeituras e governos estaduais contra a União, em temas ligados à Covid-19. Todos precisarão enviar a declaração antes de a primeira parcela ser liberada. 



SEST SENAT vai realizar testes rápidos de covid-19 em 30 mil trabalhadores do transporte

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O SEST SENAT (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte) realiza, de 8 a 12 de junho, uma ação de abrangência nacional para oferecer testes gratuitos de covid-19 aos caminhoneiros autônomos, motoristas profissionais do transporte rodoviário de cargas e motoristas e cobradores do transporte coletivo rodoviário de passageiros. Serão disponibilizados 30 mil testes em terminais de cargas e de passageiros, postos de combustíveis, pontos de parada em rodovias e em unidades operacionais do SEST SENAT. Durante as abordagens, os profissionais também receberão orientações de prevenção da doença e de higienização das mãos e dos veículos, além de máscaras de tecido reutilizáveis. Os testes rápidos que serão realizados levam em consideração a quantidade de anticorpos (IgM e IgG) produzidos pelo corpo humano contra o vírus SARS-COV-2, que provoca a covid-19. No caso de resultado positivo, eles serão orientados a buscar atendimento em centros de saúde e sobre o correto isolamento social durante o período de recuperação.



Mortes por Covid-19 no Brasil dobram em 16 dias, chegando a 30 mil

Foto: Divulgação

O número de mortes por complicações da Covid-19 no Brasil dobrou em pouco mais que duas semanas e na segunda-feira (1º) chegou a 30.046. As informações são das secretarias estaduais de saúde. Desde que a primeira morte foi registrada, em 17 de março, o Brasil levou dois meses para somar 15.662 mortes, em 16 de maio. Depois disso o salto que faz dobrar o número de vítimas ocorreu em aproximadamente uma quinzena, de acordo com o site G1. Com esta contagem, o Brasil se junta a outros três países que ultrapassaram a triste marca dos 30 mil mortos, ficando lado a lado com a Itália, que já foi o epicentro da doença na Europa, o Reino Unido um dos que teve a taxa de mortes mais aceleradas do mundo e os Estados Unidos que já contam mais de 100 mil baixas. A taxa para cada 100 mil habitantes aponta que o Brasil tem 14 mortes a cada 100 mil. Essa taxa mostra o efeito do vírus em países menos populosos, como o Reino Unido (66,6 milhões) e a Itália (60,3 milhões de habitantes), em comparação com os EUA (329,5 milhões) e Brasil (209,5 milhões). Nessa comparação, o país fica atrás dos Estados Unidos (31,8), da França (42,9), da Itália (55,4) e do Reino Unido (58,7). Nestes países, o pico diário de mortes foi alcançado há mais tempo que no Brasil, e muitos já passam por um processo de desaceleração na contagem de mortos.



Quase 26 mil mortes por coronavírus é registrada no Brasil; 411.821 casos foram confirmados

Foto: Reprodução l Estadão Conteúdo

O Brasil registrou 25.598 mortes por coronavírus e 20.599 novos casos, segundo dados do Ministério da Saúde divulgados na quarta (27). O número real de casos e mortes, porém, pode ser maior, já que há subnotificação e amostras à espera de análise. Atualmente, o país soma 4.108 mortes ainda em investigação. Balanço do ministério estima ainda que 166.647 pessoas, o equivalente a 40,5% dos casos, já se recuperaram da Covid-19. Outras 219.576 ainda estão em acompanhamento. O Brasil é o segundo país com mais casos da doença. Em números absolutos, fica atrás apenas dos Estados Unidos, que têm 1,6 milhão de casos e nesta quarta atingiram a marca tétrica de 100 mil mortes por Covid-19. Em número de mortes, o Brasil é o sexto país mais afetado. Os cinco primeiros países com mais mortes são EUA (100 mil), Reino Unido (37 mil), Itália (33 mil), França (28 mil) e Espanha (27 mil). O Brasil, porém, ainda segue com tendência de aumento na curva de casos, diferentemente de outros países, segundo o Ministério da Saúde. São Paulo ainda é o estado com maior número de registros, com 89.483 casos confirmados e 6.712 mortes. Em seguida, vêm o Rio de Janeiro (com 42.398 casos e 4.605 mortes) e o Ceará (37.275 casos e 2.671 mortes). Atualmente, as regiões Norte e Nordeste registram a maior incidência da doença, parâmetro que considera o total de casos pela população. Embora fiquem abaixo de outros estados em número de casos, Amapá e Amazonas lideram quando observado esse indicador. O primeiro tem 900,9 casos a cada 100 mil habitantes. Já o segundo tem 808,5 casos a cada 100 mil habitantes. Já o estado com menos incidência é o Paraná, com 32,5 casos a cada 100 mil habitantes. 



Recebendo auxílio emergencial? Em 2021 você pode ter que devolver

Foto: Luciano Santos l 97News

A lei do auxílio emergencial sofreu uma nova alteração, que torna o benefício um "empréstimo" para quem se recuperar financeiramente até 2021. A mudança feita pelo Senado e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro determina que quem receber em 2020 mais que o limite de isenção do Imposto de Renda (IR) terá que devolver o valor integral em 2021, inclusive o dos dependentes. Atualmente, quem recebe menos de R$ 28.559,70 no ano inteiro, incluindo, por exemplo, salários, aposentadorias e aluguéis não paga o Imposto de Renda, e também não precisará devolver o valor referente ao 'coronavoucher'. A lei do auxílio emergencial, inicialmente, excluía pessoas que tivessem recebido valor maior do que R$ 28.559,70 em 2018, deixando de fora pessoas que tinham certa renda há dois anos, mas que hoje necessitavam de auxílio governamental diante da crise. Após a primeira parcela, a Câmara e o Senado aprovaram um projeto que derrubou esse critério. Por outro lado, foi adicionado ao texto a obrigação de devolver o auxílio caso o beneficiário termine o ano de 2020 com renda acima do limite de isenção do Imposto de Renda. Dessa forma, Bolsonaro manteve o critério que exclui pessoas por causa da renda de 2018, mas sancionou medida que exige devolução do valor recebido por quem se recuperar ao longo de 2020, criando mais um empecilho para o trabalhador que vê os R$ 600 como saída para a crise causada pela pandemia.



Sob pressão da crise do coronavírus, bancos cortam juros do cartão de crédito

Foto: Reprodução

Em meio à pandemia do coronavírus, os bancos sofrem a pressão de projetos que tramitam no Congresso tentando limitar taxas de juros e até aumentar impostos cobrados do setor. Uma espécie de resposta antecipada a esse clima já foi dada: as instituições financeiras reduziram com força as taxas do cartão de crédito ao longo da crise. Dados do Banco Central mostram que em alguns casos, as taxas cobradas em fevereiro eram mais do que o dobro das do início de maio, último dado disponível. O país enfrenta seu maior desafio em décadas -- analistas esperam, em média, uma queda de 6% do PIB (Produto Interno Bruto), a maior desde 1962, quando começou a série histórica. Detentores de lucros bilionários, os bancos passaram a ser especialmente cobrados a fazer sua parte neste momento. Os cortes mais expressivos foram feitos pela Caixa e pelo Santander, mas Bradesco e Itaú Unibanco também reduziram os juros do cartão parcelado e até do rotativo, que é a modalidade em que o consumidor joga para a frente parte do pagamento da fatura.

Foto: Divulgação


Bolsonaro sanciona projeto de socorro financeiro a estados e municípios

Foto: Reprodução l Marcos Correa

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quinta-feira (28) o projeto que prevê ajuda financeira a estados e municípios. O texto foi publicado no "Diário Oficial da União. Bolsonaro acolheu os vetos sugeridos pela equipe econômica do governo. Ele barrou um trecho que abria exceções sobre o congelamento do salário de servidores e outro que permitia a suspensão do pagamento das dívidas com bancos e organismos internacionais. O projeto também prevê a suspensão de dívidas de estados e municípios com a União, inclusive os débitos previdenciários parcelados pelas prefeituras e que venceriam neste ano. O socorro acontece em meio aos impactos causados por conta da pandemia do novo coronavírus. Com isso, serão transferido R$ 60 bilhões, divididos em quatro parcelas mensais. Desta cifra, R$ 50 bilhões serão uma compensação pela queda de arrecadação (R$ 30 bilhões para estados e DF; R$ 20 bilhões para municípios) e R$ 10 bilhões para ações de saúde e assistência social (R$ 7 bilhões para estados e DF; R$ 3 bilhões para municípios).



Roberto Jefferson, Luciano Hang, deputado estadual de SP e blogueiro são alvos de operação

Foto: Reprodução l Rede Social

A Polícia Federal cumpre na manhã desta quarta-feira (27) mandados de busca e apreensão no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que apura produção de notícias falsas e ameaças à Corte. O ex-deputado federal Roberto Jefferson, o empresário Luciano Hang, o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) e um blogueiro são alvos. As buscas com relação a Jefferson e Hang foram realizadas nas casas deles, no Rio de Janeiro e em Santa Catarina, respectivamente. No caso de Garcia, as buscas foram realizadas no gabinete, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), onde computadores foram apreendidos. Ao todo, a operação tem 29 mandados de busca e apreensão. As ordens foram expedidas pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, relator do inquérito. Além de Rio de Janeiro e Brasília, há mandados para ser cumpridos também nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. As investigações tramitam em sigilo e apuram informações levantadas pela equipe designada por Moraes sobre suspeitos de terem atacado a honra ou tentado ameaçar ministros. O inquérito criminal para apurar "notícias fraudulentas", ofensas e ameaças que "atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares" foi aberto em março de 2019 pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, sem um pedido de autoridades policiais ou procuradores e sem a participação do Ministério Público. Também por conta própria, Toffoli designou Moraes como relator do caso. Não houve sorteio entre os ministros do Tribunal, como é norma regimental no caso dos inquéritos comuns. Um dos pontos questionados é que os suspeitos não têm foro no Supremo, mas sim as vítimas, que são os ministros. O Supremo, por sua vez, diz que o regimento da Corte permite a abertura de investigações para apurar crimes cometidos dentro da instituição – no caso, os ministros são a instituição em qualquer lugar que estejam, segundo interpretação do STF. As informações são do site G1.



INSS inicia pagamento da 2ª parcela do 13º de aposentados e pensionistas

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A segunda parcela do 13º salário para aposentados e pensionistas começou a ser paga nesta segunda-feira (25) pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Geralmente o pagamento costuma ocorrer em novembro. Porém, foi antecipado neste ano como uma das medidas para reduzir o impacto da pandemia do coronavírus no Brasil. De acordo com o governo, 30,8 milhões de beneficiários receberão a segunda parcela do 13º, equivalente a R$ 23,8 bilhões. A primeira parcela foi paga aos beneficiários entre os meses de abril e maio. Quem recebe um salário mínimo, receberá o dinheiro entre 25 de maio e 5 de junho. Acima disso, o benefício será creditado em 1º e 5 de junho.



Auxílio: Caixa credita nesta segunda benefício a mais 7,8 milhões de trabalhadores

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A Caixa Econômica Federal (CEF) credita nesta segunda-feira (25) novos lotes do Auxílio Emergencial, tanto da primeira parcela, para novos aprovados, quanto da segunda, para quem recebeu a anterior até 30 de abril. Ao todo, o benefício será pago a 7,8 milhões de trabalhadores, segundo o banco. Na segunda parcela, cerca de 5,2 milhões trabalhadores inscritos no Cadastro Único ou que se cadastraram através do aplicativo e do site, e que receberam a primeira parcela até 30 de abril, nascidos em setembro e outubro. Já 1,9 milhão de trabalhadores beneficiários do Bolsa Família, cujo NIS termina em 6. Ainda, 0,7 milhões de trabalhadores do novo lote de aprovados do benefício na primeira parcela nascidos em agosto vão receber o auxilio. Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

 



Brasil regista 653 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

Foto: Divulgação

O Brasil registrou 653 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas e 15.813 novos casos confirmados. Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados no domingo (24), o total de óbitos no Brasil alcançou 22.666. O recorde diário é da última quinta-feira (21), quando o país anotou 1.188 novas mortes em um só dia. O Brasil continua sendo o segundo país com mais casos da doença, com um total de 363.211 casos. Fica atrás apenas dos Estados Unidos, que têm 1,6 milhão de casos e 97 mil mortes no total. Estimativas também divulgadas na sexta pelo Imperial College indicam que a transmissão da doença continua acelerando no Brasil. A taxa de contágio (Rt), que indica para quantas pessoas em média cada infectado transmite o coronavírus, foi calculada em 1,3 --quando está acima de 1, a transmissão está fora de controle.



Governo Federal suspende entrada de estrangeiros por 30 dias em razão da pandemia

Foto: Reprodução l G1

O governo federal suspendeu a entrada de estrangeiros no Brasil por 30 dias em razão da pandemia da Covid-19. Em edição extra do Diário Oficial da União, foi publicada a Portaria Nº 255, na sexta-feira (22). Com assinatura dos ministros da Casa Civil, Braga Netto, da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e da Saúde, Eduardo Pazuello, foi suspensa a entrada de estrangeiros, de qualquer nacionalidade, fica proibida por rodovias ou outros meios terrestres, por via aérea ou por transporte aquaviário. O prazo de 30 dias poderá ser prorrogado através de recomendação técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que foi a entidade que recomendou a restrição. Pelo ato, a restrição não se aplica a brasileiros natos ou naturalizados; imigrantes que tenham residência permanente no Brasil; profissionais estrangeiros em missão que estejam a serviço de organismo internacional; passageiros em trânsito internacional, desde que não saiam da área internacional do aeroporto e que o país de destino admita o seu ingresso; funcionários estrangeiros acreditado junto ao Governo brasileiro; além de estrangeiros que sejam cônjunges, conpanheiros, filhos, pais ou curadores de brasileiros; que tenham o ingresso autorizado pelo governo brasileiro ou sejam portadores do Registro Nacional Migratório. A proibição, entretanto, não atinge atividades como ações humanitárias transfronteiriças e o transporte e  desembarque de cargas, entre outras atividades.



Caixa bloqueia transferência do Auxílio Emergencial para outros bancos

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A Caixa anunciou que vai impedir que os beneficiados com a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 possam fazer a transferência do valor para outro banco por meio de transferências DOC ou TED. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse na semana passada que a medida foi tomada porque famílias estavam transferindo o dinheiro para outros conhecidos e, com isso, atrapalhando a organização do calendário de saques que buscava evitar aglomerações nas agências. No entanto, a atitude da Caixa vai contra a lei criada para o benefício, que diz que é garantida “no mínimo uma transferência eletrônica de valores ao mês sem custos para conta bancária mantida em qualquer instituição financeira habilitada a operar pelo Banco Central”. O banco, no entanto, justificou a medida dizendo que “as regras definidas para o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial seguem o estabelecido na portaria nº 386 do Ministério da Cidadania, publicada no Diário Oficial da União no dia 15 de maio de 2020”. Apesar disso, a portaria serve apenas para regular uma lei. Com isso, a lei está hierarquicamente acima da portaria no ordenamento jurídico brasileiro.



O Brasil ultrapassou a marca de 100.459 pessoas recuperadas da covid-19

Foto: Divulgação

O Brasil ultrapassou a marca de 100.459 pessoas recuperadas da covid-19. O número representa 39,5% do total de casos confirmados até o momento: 254.220 pessoas, segundo dados do Ministério da Saúde, no último dis 19. Outras 136.969 pessoas estão sendo acompanhadas (53,9%) por profissionais que monitoram a evolução da doença. As informações foram atualizadas até e repassadas pelas secretarias estaduais de Saúde de todo o Brasil. Desde o dia 26 de fevereiro, quando o primeiro caso foi confirmado no País, o governo adotou uma série de medidas, junto a estados e municípios, para garantir a estrutura necessária ao atendimento dos pacientes com a doença. Desde então, o Ministério da Saúde não tem medido esforços para adquirir e distribuir Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), recursos humanos e financeiros, respiradores e insumos. Entre abril e maio, também foram habilitados mais de três mil leitos de UTI voltados exclusivamente para o atendimento de pacientes graves ou gravíssimos do coronavírus. 



Ministério da Saúde orienta uso da Cloroquina e Azitromicina para tratamento de pacientes com a Covid-19 no Brasil

Foto: Divulgação

Na quarta-feira (20), o Ministério da Saúde publicou as novas orientações a respeito do tratamento de pacientes com Covid-19 no âmbito do Sistema Único de Saúde. A recomendação é de que os profissionais de saúde passem  a utilizar os medicamentos Cloroquina, Azitromicina e Sulfato de Hidroxicloroquina em pacientes em casos leves, moderados e graves para deter a doença. O Ministério da Saúde ressalta que apesar de até o momento não existirem evidências científicas robustas que possibilitem a indicação de terapia farmacológica específica para a COVID-19, o Governo Federal considera que não existe, até o momento, outro tratamento eficaz disponível para combater o coronavírus, visto que existem diversos estudos e a larga experiência do uso da Cloroquina e da Azitromicina no tratamento de outras doenças infecciosas e de doenças crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde. Desta forma, a prescrição dessas medicações fica a critério do médico, sendo necessária também a vontade declarada do paciente, com a assinatura de um termo de consentimento em realizar uso desses medicamentos. Essa prescrição da Cloroquina e Azitromicina está condicionado à avaliação médica, com realização de avaliação do histórico do paciente, exame físico e exames complementares, em Unidade de Saúde. 



Denúncias de violações contra crianças e adolescentes aumentam 14%

Foto: Reprodução

Na última segunda-feira (18), foi celebrado o Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Na data, Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos divulgou dados de denúncias feitas por meio do Disque 100. Em 2019, 159 mil registros foram feitos pelo Disque Direitos Humanos, detes, 86,8 mil são de violações de direitos de crianças ou adolescentes, um aumento de quase 14% em relação a 2018. A pesquisa aponta que, quando o assunto é violência sexual, foram registrados mais 17 mil casos somente no ano passado. A maior parte dessas violações é perpetrada por pessoas próximas à vítima e a grande maioria delas no ambiente doméstico. Outra preocupação externada tem a ver com os números pós-pandemia. É que a partir de abril deste ano, quando um maior número de estados começou a decretar o isolamento social como medida necessária para reduzir a contaminação pela covid-19, houve uma queda de 17,1% nas denúncias, quando na verdade era esperada uma estabilização ou um aumento delas. A suspeita é de que em casa, longe da escola, muitas crianças estejam mais expostas a situação de abuso e exploração sexual. Ainda segundo o levantamento, a maioria das vítimas de violência é menina (55%), que tem entre 4 e 11 anos. Já entre os suspeitos a maioria é mulher (52%) e tem entre 18 e 59 anos (71%). Nos casos específicos de violência sexual, os padrastos (21%) são os principais abusadores, seguidos de pai (19%), mãe (14%), tio (9%) e vizinhos (7%). Até o final deste mês o ministério promete ampliar o atendimento às vítimas por meio de um número para denúncias via WhatsApp. As vítimas também poderão continuar fazendo denúncias pelo Disque 100. 



Bolsonaro diz a aliados que deve demorar para escolher novo ministro da Saúde

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou a aliados neste final de semana que deve demorar para escolher o substituto de Nelson Teich no Ministério da Saúde. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, cresce a ideia de que o general Eduardo Pazuello, interino no cargo, fique por mais uma semana. Ainda segundo a publicação, o presidente indica que, enquanto não houver segurança na escolha, pode deixar Pazuello até o fim da pandemia. Em sua avaliação, a manutenção seria menos traumático do que promover mais uma troca. Nos últimos dias, surgiram nomes cotados para assumir o cargo. São os seguintes: Nise Yamaguchi, Ítalo Marsili, Anthony Wong e Paolo Zanotto.